domingo, 28 de junho de 2009

SINDICATO ELOGIA COLUNISTA POUCO ELOGIÁVEL

CONSULTA TERIA REPROVADO PROPOSTA

Em carta para a Coluna do Leitor do jornal Correio Popular de Campinas, o diretor regional do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, Agildo Nogueira Junior, diz: "...a Regional Campinas do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo (SJSP) parabeniza o articulista pelo texto Clodogil (23/) que, com clareza e objetividade, aponta os erros praticados pela suprema corte brasileira em benefício de grupos econômicos."

Em primeiro lugar é preciso que se diga que diretor nenhum tem o direito e o poder de falar em nome da entidade, em situações polêmicas especialmente, sem que faça um ampla consulta junto aos seus representados.

O elogio não é HUNANIMIDADE e sem a consulta não tem LEGITIMIDADE.

Ainda que o diretor da Regional tenha alertado no início da sua carta para o respeito aos costureiros e costureiras e "mesmo, na maioria das vezes, discordando das posições de Manuel Carlos..." levar consigo todos os sindicalizados em iniciativas como esta, especialmente em relação ao parabenizado cuja presença nas páginas do CP tem sido criticada por integrantes dos mais variados segmentos da sociedade campineira, é um fato grave.

Pessoalmente e até profissionalmente, pois uma coisa é inerente à outra, o diretor da Regional poderia elogiar, parabenizar, louvar enfim se expressar como quizesse em relação ao colunista e seus artigos.

Na mesma página do jornal e na mesma coluna, Márcia Quintanilha, assina também carta de parabéns ao professor Luiz Roberto Saviani Rey, identificando-se como diretora da Fenaj mas em momento algum disse que era a Fenaj, enquanto instituição, quem parabenizava. Mesmo que deixando passar sutilmente esta intensão usando o verbo com o qual inicia sua carta primeira pessoa do plural.

O escorregão do diretor portanto é merecedor de reparos e uma nova carta à coluna retificando sua declaração no que tange o envolvimento da Regional (especificamente), seria de muito bom alvitre.

Como sindicalizado há mais de 30 anos espero que ele o faça.

FSP TAMBÉM MANDA ENFIAR O DIPLOMA...

A FOLHA PELO MENOS É COERENTE, POIS SEMPRE MANDOU ENFIAR O DILOMA!

"As empresas vão continuar buscando no mercado os profissionais de jornalismo com diploma..."

"As escolas de jornalismo não vão acabar..."

"Um jornalista com diploma sempre terá vantagem no mercado..."


TUDO BALELA!

Quanto tempo faz que o STF exterminou com o diploma? Uma semana? Então... A FSP não perdeu tempo. E como sempre mandou mesmo enfiar o diploma de jornalismo já está contratando recem formado de qualquer área.

Será que aceita diploma cozinheiro?

Receio que a FSP tenha que acabar logo com o seu tal programa de treinamento em jornalismo diário. Não haverá gente suficiente e nem "saco" para selecionar os zilhões de interessados das mais diversas e "qualificadas" faculdades do país!
Tomara mesmo que isto aconteça. Via ser muito engraçado.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

PRESIDENTE DO STF É COZINHEIRO

UMA BELA CHARGE DE UM CHARGISTA QUE ERA JORNALISTA






"Compartilho com vocês, abaixo, a charge do Clayton.
Ele é do jornal O POVO, de Fortaleza. E, pra mim, um dos melhores do Brasil.
Detalhe: Clayton foi meu aluno de jornalismo. Depois de anos na Redação resolveu ir para a faculdade, ter a formação de jornalista. Passou 4 anos indo à noite para a faculdade depois de um dia de trabalho.
Se não me engano, se formou no ano passado.
Acho que a charge ilustra bem o que ele sente.
Cristiane Parente"
Da Lista Jornalistas da Web

GLOBO DIZ QUE CURSO ENSINA TÉCNICAS...

GLOBO DIVULGA COMUNICADO INTERNO

"A decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o diploma de jornalista é bem-vinda. Ela atesta como legal situação vivida por órgãos de imprensa, que, há anos, têm na sua equipe especialistas de outras áreas, com talento reconhecido, mas que não se formaram na profissão. Quaisquer que sejam as interpretações sobre a decisão do STF, porém, para nós das Organizações Globo nada mudará. Reconhecemos como fundamental o trabalho feito pelas Escolas de Comunicação Social no país e continuaremos a buscar nelas os nossos profissionais de jornalismo. Estes, para exercerem bem as suas atribuições, dependem de um conjunto de técnicas e conhecimentos que tem nas Escolas de Comunicação o seu melhor centro de difusão. Essa crença nunca esteve em conflito com a nossa postura de buscar especialistas de outras áreas que possam enriquecer nossos jornais, revistas, programas jornalísticos em rádio e TV e sites da internet. A decisão do STF apenas ratifica uma prática que sempre foi nossa.

João Roberto Marinho"

STF CAI NA PRÓPRIA ARMADILHA

STF contratará jornalistas, mas não sabe se exigirá diploma
JUSTIÇA - [ 18/06 ]
Cruzeiro On Line

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que não pode ser exigido o diploma de jornalismo de quem trabalha como jornalista ocorreu às vésperas de a Corte lançar o edital de um concurso para contratar 14 jornalistas. Por causa disso, a comissão de concursos do STF analisa agora se será ou não cobrado dos candidatos o curso de jornalismo. Antes da decisão, ter concluído a faculdade de jornalismo era um pré-requisito para os aspirantes às vagas.

A ideia do tribunal era divulgar o edital até o final deste mês. Mas, com o resultado do julgamento de 4ª feira (17), a publicação desse edital poderá demorar um pouco mais para ocorrer. Por enquanto há apenas uma certeza: os 14 candidatos às vagas de analista na secretaria de comunicação do STF terão de ter concluído uma faculdade porque os cargos são de analista, dos quais é exigido nível superior. Ainda não se sabe se essa faculdade terá de ser de jornalismo ou se será permitida a candidatura de pessoas que tenham feito outros cursos, como direito e letras.

Os 14 selecionados trabalharão junto à secretaria de comunicação do tribunal. Eles terão de assistir às sessões de julgamento do Supremo e redigir textos que serão divulgados na página do STF na Internet (www.stf.jus.br). Também caberá a eles atender aos jornalistas dos veículos de comunicação interessados em notícias sobre o tribunal. Uma das saídas que poderá ser utilizada pelo tribunal é exigir apenas um diploma de nível superior dos candidatos. Essa abertura ocorre em concursos para preenchimento de vagas em outras áreas do tribunal. Os analistas que atuam na área administrativa do Supremo, por exemplo, podem ser formados em qualquer curso superior pleno.

Segundo informações do Supremo, um desses analistas é engenheiro mecatrônico. Isso também ocorre no recrutamento de taquígrafos. Para disputar uma vaga de analista da área de informática, o candidato tem de ter formação em tecnologia ou graduação em outra faculdade, mas com pós-graduação em tecnologia.

NOTA NOSSA: Jornalista para trabalhar como analista. É brincadeira do STF...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

UMA BOA MATÉRIA PERDIDA

CORREIO POPULAR MATA O RIO CAPIVARI

Uma reportagem especial publicada na edição de domingo dia 14 de junho do jornal Correio Popular, de Campinas/SP, assinada pelo jornalista Gilson Rei (textos) e Nerivelton Araújo (fotos) tinha tudo para ser uma bela matéria. Inclusive o gancho: realizada em 5 de junho Dia Mundial do Meio Ambiente.

E POR QUE PERDIDA?
Aos olhos de um leitor atento, que em precisa ser jornalista, faltou um dado de suma importância na matéria inteira.

Na chamada de capa está lá a pista para matar a charada da morte da matéria: "...O curso d'água foi percorrido pela equipe do Corrreio...desde o limite de município com Vinhedo até o Jardim Xangai na região do Ouro Verde. Página A11"

O que matou a matéria foi a falta de resposta à seguinte pergunta:
"O curso d'água foi percorrido COMO?"

Os jornalistas foram a pé, de barco, de carro, carroça, trem, avião, helicóptero, bicicleta, moto, patins, skate, asa delta, ultra leve...? Ninguem sabe ninguém viu!

O repórter ajudou ainda a sepultar de vez a matéria ao dizer que "...A situação atual é semelhante ao quadro mapeado há três anos pelo Departamento Municipal de Meio Ambiente DMA quando os técnicos utilizaram um bote para percorrer o curso d'água..."

A matéria, na verdade era esta: refazer o mapeamento da situação do rio, nas mesmas condições daquele feito há três anos.

Faltou incluir acima, na lista de transportes possíveis, o jegue. Vai saber...

sexta-feira, 12 de junho de 2009

NOVO PASSEIO A BRASÍLIA JÁ TEM DATA

STF julgará recurso contra o diploma dia 17 de junho

Adiado na tarde desta quarta-feira, o julgamento do Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a constitucionalidade da exigência do diploma em curso superior de Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, foi remarcado para o dia 17 de junho. A Executiva da FENAJ reúne-se neste feriado de Corpus Christi para traçar novas estratégias da campanha em defesa do diploma neste momento decisivo para o futuro do jornalismo brasileiro.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

STF ADIA MAIS UMA VEZ O DIPLOMA DE JORNALISTA

MINISTROS TÊM MUITO TRABALHO

Pauta sobrecarregada. O julgamento do Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a constitucionalidade da exigência do diploma em curso superior de Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, acabou adiado mais uma vez. Ainda não há definição de nova data para inclusão do processo na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF), informa a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).

A Ação Penal do Mensalão (AP Nr 470) e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF Nr. 172), relativa ao caso do menino S. cuja guarda está sendo disputada judicialmente, sobrecarregaram a pauta de hoje do STF. Na tarde de hoje (10), um oficial de justiça comunicou aos representantes da FENAJ o adiamento da apreciação do recurso contra o diploma.

Estiveram presentes na sessão, além de dirigentes da FENAJ e do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ), e de uma delegação de estudantes de diversas faculdades do estado de SP, representantes dos Sindicatos dos Jornalistas do RS, PR, SP, GO, DF, MG e CE.
DO "O JORNALISTA"

Enquanto os juízes trabalham muito, parece que tem um monte gente que não faz nada neste país a não ser ficar viajando para Brasília para ver julgamentos no STF. Até de Campinas saiu ônibus para a capital federal.

Bem como amanhã é feriado mesmo e sexta vai ser enforcada por força das circunstâncias, que mal há nisso?

O STF podia muito bem pautar e adiar eternamente o RE 511961. Assim o diploma ficaria valendo pela falta de julgamento e um monte de gente poderia conhecer Brasilia sob o argumento de pressionar o STF.

Se é tão dificil assim dimensionar uma pauta para as sessões do STF, por que eles não colocam apenas um item por sessão? Não vão errar nunca. Se durar 15 minutos a decisão, ótimo, todos vão embora mais cedo. Se durar dois dias, sem problemas, pois só estarão acompanhando a sessão os interessados diretos naquele item e assim ninguém irá até lá perder tempo...

segunda-feira, 8 de junho de 2009

ECOS (5) JORNALÍSTICOS DA GREVE

PELOTÃO DE CHOQUE DA PREFEITURA TEM COMANDANTE

O pelotão de choque da prefeitura foi memso puxado pelo comandante Francisco de Lagos.

Aliás, no meio grevista ele ganhou um apelido muito curioso. Quando ouvi pela primeira vez nem entendi direito:

"Francisco Largos Tubos"

Olha ele aí:

ECOS (4) JORNALÍSTICOS DA GREVE

QUE FALTA FAZ UM COMPETENTE ASSESSOR DE IMPRENSA

A Cidade Judiciária de Campinas faz juz ao nome. É mesmo uma cidade. E cheia de salas. Ontem a audiência entre prefeitura e funcionários públicos em greve foi na sala 147 do primeiro andar do Bloco A. Se a sala tem o número 147 dá para imaginar quantas delas estão no mesmo corredor.

No fim do croredor há um saguão onde se recomenda que o público fique para aguardar vez. Além do reduzido número de cadeiras, a distância entre ele e algumas salas obriga um trânsito imenso pelo corredor.

Os jornalistas claro, ficaram diante da porta da sala aguardando que a porta fosse aberta. Logo foram alertados que não podiam ficar ali. Mas no saguão (lá longe) também não queriam ficar.

Não houve discussão nenhuma. Os jornalistas continuaram no memso lugar apenas recomendados por um PM de serviço que deviam evitar falar alto.

O problema lá foi pura falta de um profissional competente atuando como assessor de imprensa. A maioria dos profissionais que aguardavam a abertura da porta era de fotógrafos e cinegrafistas.

Com um assessor competente a situação teria sido resolvida com facilidade permitindo que estes profissionais fizessem suas imagens e liberassem a sala para a reunião.

Mas achar assessor de imprensa na Cidade Judiária é pedir muito.

Não devia ser assim.

ECOS (3) JORNALÍSTICOS DA GREVE

AUDIÊNCIA NA 1A. VARA CIVEL DA FAZENDA PÚBLICA

Do lado de fora da sala 147 do primeiro andar do Bloco A na Cidade Judiciária, um grupo de jornalistas. Do lado de dentro, apenas UM jornalista, da RAC. Aberta a porta para o intervalo, alguém comentou sutilmente: "até na audiência pública o RAC fica do lado da prefeitura".

O jornalista estava mesmo junto do staf municipal. Pode ter sido coincidência apenas. De qualquer maneira muito curiosa mesmo.

Pela foto não se pode discordar:

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O QUE É NOTÍCIA PARA O CORREIO POPULAR?

CORREIO POPULAR NÃO INFORMA SOBRE KAKÁ

LEITOR FICA SEM SABER O DESFECHO

Afinal para quem o jogador Kaká foi vendido? Se a pergunta for endereçada a um leitor do Correio Popular, de Campinas, seguramente ele não terá como responder.

Apesar de gastar espaço e tinta sobre o assunto da venda do jogador nas suas edições de quarta e quinta passadas dizendo que nada havia sido decidio ainda, hoje a editoria de esportes do jornal sequer toca no assunto.

Logo o leitor via continuar sem saber para quem o Kaká foi vendido.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

ECOS (2) JORNALÍSTICOS DA GREVE

E A GREVE CONTINUA EM CAMPINAS...




A bela imagem captada pela competente câmera de Carlos Bassan está correndo o mundo via Internet, para mostrar como o poder de deus funciona aqui em Campinas.

Não sei se a foto foi publicada, duvido muito.

De qualquer maneira: 10!

ECOS (1) JORNALÍSTICOS DA GREVE

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DE CAMPINAS ESTÃO PARADOS HÁ 14 DIAS

A diretora de comunicação da prefeitura, jornalista Luciana Paulo, que evidentemente está trabalhando apesar da greve, teria marcado um LINK para a EPTV com o secretário da Saúde, no saguão da prefeitura. Até aí nada de mais. Acontece que é no saguão que os grevistas estão "acampados" e são justamene os da Saúde os mais "bravos" do movimento.

Para complicar, a assessora de imprensa titular da Saúde está de férias. Para o lugar dela foi designado o jornalista Bruno. Inexperiente e recem chegado ficou quietinho e não disse nada. Uma funcionária do administrativo da Saúde foi quem deu o alerta. Mas já era tarde demais. O repórter ao vivo foi obrigado a sair com a velha desculpa "que o secretário estava sendo esperado, mas de última hora cancelou a entrevista..."

Ah, as boas ou más línguas dizem que o tal Bruno foi indicado pra cobrir a férias pelo secretáriode Comunicação Francisco de Lagos. Ao que se sabe Bruno teria trabalhado na empresa de comunicação do secretário, no Mato Grosso, em campanha nas últimas eleições.

A incompetente Luciana Paulo continua fazendo das suas, coberta pelo secretário Lagos.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

ESTADÃO MATA QUEM NÃO MORREU NO AVIÃO

LAMENTÁVEL!

Tá lá no cantinho interno do pé da página 6 (UMA PAR) a notinha que tenta remendar a cagada sob o título "Correção" - "Diferentemente do informado ontem, o advogado Gustavo Henrique Brito dos Santos não está entre os passageiros desaparecidos do voo AF447, da Air France".

Ah, esta pressa...

Calma, nesta hora é preciso muita calma.

CORREIO POPULAR E O KAKÁ

JORNAL INTERIORANO ANDA MESMO DEVAGAR

Quem lê exclusivamente o jornal Correio Popular, só vai saber que o Kaká já foi vendido por R$ 178 milhões para o Real Madri, amanhã.

É, porque hoje, o CP destaca no alto da sua capa a "entrada do Chelsea para ficar com o jogador". Na página de esportes o jornal gastou quase meia página para falar nada de nada sob o título: "Futuro de Káká está entre o Real Madri e o Chelsea".

Enquanto O Estado de S. Paulo anuncia: "Kaká vai para o Real por 65 milhões de euros".

Nem com a Internet o CP consegue andar no tempo.

Vamos ver qual vai ser o comportamento da editoria de Esportes do jornal na edição de amanhã...

terça-feira, 2 de junho de 2009

CANSADOS DA GREVE, JORNALISTAS VOLTAM AO TRABALHO...

MAS A GREVE CONTINUA, POIS É DO FUNCIONALISMO NÃO DOS JORNALISTAS!

Nunca vi isto na vida. Nos meus mais de 35 anos de jornalismo nunca vi coisa igual. Cansados da paralisação, os jornalistas que aderiram à greve dos funcionários públicos de Campinas, decidiram voltar ao trabalho.

A atitude, vista por olhos de quem já "grevou" até mandar parar, é uma tremenda falta de profissionalismo e companherismo.

Quero ver se os coleguinhas vão abrir mão do benefício no salário que a greve possa trazer.

Tá ruim a coisa. Muito ruim.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

NÃO HÁ LIMITES PARA A LIBERDADE DE IMPRENSA

DO MINISTRO CARLOS AYRES DE BRITTO, DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

"Não é pela possibilidade de imaginar abuso, ou mesmo por não ter simpatia ao repórter, que se pode restringir a atuação da imprensa. Liberdade de imprensa não tem meio termo. O jornalista é quem deve dizer qual é a sua liberdade de manifestação, a lei não pode dispor sobre isso. A criação artística, científica e jornalística — bens de personalidade — não podem ser limitadas

É necessária uma linha direta entre a imprensa e a sociedade. Para ele, vigora no ordenamento jurídico brasileiro uma forma de interação entre essas duas instituições que não pode passar pela mediação do Estado. “Interação que pré-exclui, portanto, a figura do estado-ponte em matéria nuclear ou axialmente de imprensa. Tudo sob a idéia-força de que à imprensa incumbe controlar o Estado, e não o contrário."
O secretário de Comunicação de Campinas não deve saber disso.