sábado, 19 de dezembro de 2009

SEM CULHÃO, FORA!

TEM UM MONTE DE COLEGUINHA BRINCANDE DE BLOG

É o seguinte a regra básica do blofg devia ser a seguinte:

Não tem culhão não faz blog porra nenhuma.

Ou Libera comentário ou vai tomar no cu!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

EM CAMPINAS NATAL É AZUL PORQUE A PREFEITURA TÁ NO VERMELHO

"Papai Noel voando a jato pelo céu
trazendo um Natal de felicidades
e um Ano Novo cheio de prosperidade...
Azul, Azul, Azul!"


Antigamente era Varig, agora é Azul.

A empresa de transportes aéreos Azul que tem Campinas como epicentro de seus roteiros é quem esta bancando o Natal campineiro deste ano.

Vai ser muito engraçadop ver o Papai Noel e a Mamae Noel de azul...

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

NÃO BASTA UMA, OS PORTUGUESES TÊM DUAS!

DUAS ASSESSORIAS DE IMPRENSA PARA DIVULGAR PAPAI NOEL E QUETAIS

O maior shopping da América Latina, Parque D. Pedro Shopping do grupo português Sonae, pode se dar ao luxo de ter duas assessoria de imprensa. Daria para ter até mais. Não pelo que divulga de útil mas pelo que divulga para vender mais e mais.

Ontem, a Camara dos Deputados de São Paulo, derrubou um veto do governador José Serra, fazendo com que, em todo estado, os estacionamentos de shoppings devem liberar de cobrança os usuários por um período de até 6 horas desde que tenham consumido, comprovadamente, pelo menos 10 vezes o valor da tarifa.

Aqui no shopping D. Pedro, o usuário tinha, até ontem, apenas 20 minutos para não pagar. Agora, se ele gastar R$ 30,00 ou mais e comprovar o gasto, a taxa de estacionamento deve liberada.

Neste momento onde as dúvidas aparecem aos montes, a imprensa tem um papel fundamental no esclarecimento da população em benefício de todos. Assim, era para esperar de Assessoria de Imprensa competente, antes de qualquer cobrança, que ela enviasse comunicado oficial sobre o posicionamento do shopping sobre o assunto que afeta a todos.

Falamos em Assessoria de Imprensa competente.

As duas do Shopping D. Pedro, XPress e Canal de Comunicação, não só não fizeram seu assessorado se manisfestar como retornam às solicitações de informações com mensagens com o seguinte teor:

"OI Cibele, tudo bem?
Olha o comunicado oficial que posso te passar é que por enquanto o Parque D. Pedro não vai se pronunciar sobre o assunto!
Obrigada
Kátia - Email: katia@canaldecomunicacao.com.br"


Isto é assessoria? Como o Shopping não vai se pronunciar sobre o assunto? Ou o assessor é assessor ou é garoto de recado. A situação exige pronunciamento. Se o assessorado se negar nesta situação é melhor pegar a mala e cair fora. Ele não precisa de assessor de imprensa precisa de "marqueteiros".

É nesta horas, diante de situações como esta que a gente vê a importância de uma assessoria de imprensa que resolva. E é por posicionamentos como este que a função de Asserssor de Imprensa está tão desacreditada. Não há mesmo caminho de volta a não ser entregar o bastão para os Relações Públicas. Jornalista Progissional não pode aceitar isto!

Depois da resposta acima, insistimos com as seguintes perguntas:

"Cara Cátia,
quero saber se eu for agora no Shopping D. Pedro se eu pago ou não o estacioamento de R$ 3,00?
Como o cliente fica sabendo se paga ou não?
abs
Gilberto Gonçalves"


E eis a nova resposta da Assessoria:
"Olá Gilberto, a única posição que tenho é realmente a enviada anteriormente.
Obrigada
Kátia"


E eu ainda escrevo Cátia quando nome da assessora é Kátia...

sábado, 21 de novembro de 2009

MAIS DOIS EXEMPLOS DA ARGENTINA À AL E AO MUNDO

Argentina acaba com os delitos de calúnia e injúria

O Senado aprovou por unanimidade a lei que despenaliza os delitos de injúria e calúnia na atividade jornalística, faltando 10 anos para o compromiso assumido pelo Estado diante da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, informam La Nación e Página 12.

A iniciativa já contava com o apoio da Câmara dos Deputados. Agora, resta apenas a promulgação de Cristina Fernández, explica a EFE. A reforma elimina as penas de prisão e deixa sanções estritamente econômicas, acrescenta o InfoBae, o que tem sido celebrado como uma vitória importante para a liberdade de expressão.

SIP comemora sentença na Argentina que confirma prisão perpétua de assassino de jornalista
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, por suas siglas em espanhol) se mostrou satisfeita com a decisão (arquivo PDF) da Suprema Corte argentina que revogou a setença que havia deixado em liberdade um dos dois assassinos do fotógrafo da revista Noticias José Luis Cabezas, informa a EFE.

Sergio Gustavo González, membro do grupo criminoso “Los Horneros”, foi condenado a prisão perpétua em 2000. Ele deverá voltar para a cadeia depois de permancer quase cinco anos em liberdade condicional e ter sido beneficiado com uma redução de 20 anos de pena, explica a agência Télam.

A Suprema Corte determinou que González cumpra a pena que lhe fora sentenciado originalmente. Em um comunicado, a SIP qualificou a decisão como “um dissuasivo importante para que se diminua a violência contra os jornalistas e um passo positivo para combater a impunidade”.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

VAMOS À LUTA CONTRA A EMDEC

SE LÁ FOI PROIBIDO AQUI TAMBÉM TEM QUE SER

Empresa de economia mista não pode aplicar multa de trânsito

O STJ decidiu, por unanimidade, que a Empresa de Transporte de Trânsito de Belo Horizonte não pode aplicar multas multas de trânsito, por ser uma sociedade de economia mista, com fins empresariais. "É temerário afirmar que o trânsito de uma metrópole pode ser considerado atividade econômica ou empreendimento", disse o ministro Herman Benjamin. Decisão abre precedente que pode atingir a Companhia de Engenharia de Tráfego, da capital paulista, que também é uma sociedade de economia mista. O julgamento foi concluído terça-feira (10) com a apresentação do voto do ministro Herman Benjamim.

Senhores promotres,mãos à obra!

"O GOLPE DAS TELES E DA BAND NA CONFECOM-SP"

NO FIM ELES SÃO, SEMPRE, O QUE SEMPRE FORAM

"O golpe contra a democratização das comunicações tem data e hora para acontecer. Começa na sexta-feira às 17h na Quadra dos Bancários de São Paulo (rua Tabatinguera, 192, Centro de São Paulo). Continua no sábado e domingo na Assembléia Legislativa de São Paulo.

O movimento das pequenas empresas de comunicação solicita a todos os blogueiros, tuiteiros e militantes de todos os segmentos da luta progressista que não aceitam mais que os grandes conglomerados midiáticos, a partir de métodos antidemocráticos, continuem a impor suas posições sem negociar de forma correta e limpa, a divulgar essa ação e a protestar.

Também solicita que compareçam a Quadra dos Bancários para filmar, tuitar, fotografar e postar notas denunciando essa ação antidemocrática."

HOJE É DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA E FERIADO!

DIRETO DO JOHNNY DA BABILÔNIA

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

SBT VIU JORNALISMO NA CAMERA DIGITAL AO VIVO

BARULHO DE OBRA, VIA TV DIGITAL, DÁ MATÉRIA NO SBT CAMPINAS

Depois de três dias consecutivos colocando AO VIVO VIA via TV Justin o barulho provocado por máquina utilizada para desmonte de rocha na construção de edifÍcios pela Construtora Engelux na rua Adelino Martins, 500, em Campinas/SP, a inciiativa despertou o interesse da equipe de jornalismo do SBT/TVB Campinas.

Hopje pela manhã, exatamente na hora - 8;05h - em que a máquina começou a operar, a equipe de reportagem estava no local.

Isto é mais do que suficiente para provar que jornalismo bem feito independe da mídia de suporte. A internet pode/deve e no meu modo de ver vai mesmo democratizar a comunicação no mundo.

Aqui em exercício de meta linguagem está gravada, via TV Justin, a entrevista que a equipe de jornalismo do SBT/TVB Campinas gravou para incluir em seu jornal de meio dia.

Assista e desconsidere o som, pois a máquina não deu tregua e o barulho interferiu como interfere sempre no dia a dia do meu trabalho.



Watch live video from Canais de clicknoticia on Justin.tv
Hoje mais uma vez estamos ao vivo com o barulho da construtora no alto taquaral

Watch live video from Canais de clicknoticia on Justin.tv

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

CONSTRUTORA MASSACRA VIZINHOS COM BARULHO INSUPORTÁVEL (2)

CONTRUTORA MUDOU ROTINA E BARULHO COMEÇA MAIS TARDE

Hoje é quarta-feira, dia 18 de novembro de 2009. São 10;05 horas e estamos começando a transmissão AO VIVO do barulho provocado por contrutora no bairro Mansões Santo Antonio em Campinas/sp/Brasil


Watch live video from Canais de clicknoticia on Justin.tv

OBRA ALTERA ROTINA DO BARULHO

8;30H E TUDO É SILÊNCIO...

Vamos aguardar pra ver!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CONSTRUTORA MASSACRA VIZINHOS COM BARULHO INSUPORTÁVEL

AO VIVO O BARULHO NO ALTO TAQUARAL

Watch live video from Canais de clicknoticia on Justin.tv


Estamos ao vivo da Redação do Jornal ALTO TAQUARAL em Campinas/SP/Brasil o barulho que ouvem é uma máquina de desmonte de rocha que já trablaho no local há mais de 4 meses. É assim todo dia, o dia todo das 8 ao meio dia das 13 às 18 horas e a construtora não dá a mínima para ninguém.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

LAGOS NA DELEGACIA???

SECRETÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE CAMPINAS VAI AO 1. DP

No meio da tarde desta sexta-feira ensolarada, ver o secretário de Comunicação de Campinas, Francisco de Lagos, saindo do 1.Distrito Policial em pleno centro da cidade acompanhado de um falsa loira sempre causa curiosidade.

Só pelas circunstâncias não fui à delegacia procurar saber a razão...

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

ASPONE DE IMPRENSA ARMA CIRCO EM BRASÍLIA

ASSESSOR E SECRETÁRIO FICAM DE 4 PARA A GLOBO EM BRASILIA

Para que serve afinal essa praga? Assessor de imprensa? Chega. Vamos passar a bola definitivamente para os Relações Públicas e deixar essa lama na mão deles.

Hoje pela manhã em Brasília um secretário do Ministério das Minas e Energia e seu aspone de imprensa serviram de fantoches da Globo. E pior que isso o aspone de imprensa escrachou a repórter da Record que queria conversar com o bonequinho "joão bobo" (o secretário) que ficou mais de dez minutos balançando enquanto esperava o link da Globo entrar ao vivo.

Nos meus bons tempos de repórter eu tinha beliscado abunda da repórter da Globo enquanto ela estivesse ao vivo.

Por que o aspone de imprensa do secretário não organizou uma coletiva? Dá muito trabalho é? É melhor por o entrevistado ao vivo na Globo? É? Ela fala para o Brasil todo... É mais fácil mesmo.

Eu já fui rassessor de imprensa!

Por isso que eu digo basta! Assessoria de imprensa para os relações públicas já!

Jornalista não é capacho de secretário, ministro, presidente da república, de multinacional e muito menos da Globo!

Bastaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

Veja o vídeo da palhaçada que o aspone de imprensa aprontou.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

RAC E UOL TAMBÉM ESTÃO ENVOLVIDAS NA TV SAÚDE DE LAGOS

ALÉM DA FILHA SECRETÁRIO INCLUI RAC E UOL ENTRE BENEFICIADOS


Uma mensagem eletrônica enviada à imprensa, no dia 19 de outubro, pela assessoria de imprensa da Camâra Campinas inclui a RAC - Rede Anhanguera de Comunicação, como fornecedora de notícias de Cidade e Esportes através do portal Cosmo e o portal UOL, fornecendo nodtícias de Mundo e Entretenimento, como beneficiários (sem licitação) da TV Saúde implementada pelo secretário Francisco Lagos, da Comunicação da Prefeitura. O projeto foi desenvolvido pela produtora TV 4 News, que tem como diretora Juliana Chagas, filha do secretário.

Esperamos que o MInistério Público apure també, além da produtora TV4News, a RAC e o UOL como envolvidos irregularmente no projeto TV Saúde e TV Emprego.

Segue a íntegra da mensagem enviada pela Assessoria de Imprensa da Câmara.

----- Original Message -----
From: "Carla - Imprensa"
To:
Sent: Monday, October 19, 2009 2:59 PM
Subject: Confecom: Campinas terá canal oficial demídia digital

O coordenador de Comunicação da Prefeitura de Campinas, Francisco de
Lagos, anunciou neste sábado (17/10) - durante a 1ª Conferência
Municipal de Comunicação (Confecom) realizada na Câmara de Vereadores –
a implantação na cidade de um sistema oficial de mídia digital. O
sistema terá dois canais: um será chamado de TV Saúde e vai operar em
todos os hospitais públicos; Centros e Postos de Saúde. O outro será o
TV Emprego – a ser instalado em terminais de ônibus. De acordo com
Lagos, o sistema terá qualidade de som e imagem da TV Digital e será
apresentado oficialmente ao Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, no
dia 23 de outubro. Neste dia, o ministro estará em Campinas para
assinatura de acordos entre a Prefeitura e o governo federal.

Em cada um dos 64 postos e centros de saúde de Campinas, além dos
hospitais públicos, haverá um aparelho de TV Digital de 40 polegadas,
que transmitirá – durante todo o período de funcionamento da unidade -
reportagens e informações relacionadas ao serviço municipal de saúde. A
programação contará ainda com informações produzidas pelo Cosmo – o
portal da Rede Anhanguera de Comunicações (RAC) na internet – que
fornecerá noticias de Cidades e Esportes. As informações sobre Mundo e
Entretenimento serão fornecidas pelo UOL.
De acordo com Lagos, o
material oficial, relacionado aos serviços de saúde, terá a orientação
de especialistas e monitoramento do Conselho Municipal de Saúde.


A TV Emprego vai funcionar nos terminais de ônibus num sistema idêntico.
De acordo com Lagos, além do que for produzido pela RAC e UOL, a TV
Emprego vai oferecer conteúdo relacionado a direitos do trabalhadores;
informações sobre vagas de emprego, cursos de requalificação. Além dos
terminais, o programa prevê a instalação de totens no Largo do Rosário,
onde as pessoas poderão consultar sobre vagas de emprego.

“É importante frisar que não haverá custos para a Administração. O
projeto foi uma parceria com a iniciativa privada e não haverá nenhum
tipo de gasto para a Prefeitura”, disse Francisco de Lagos. O
coordenador informou ainda que será possível a exploração do espaço para
publicidade.

Durante os debates da Confecom, Lagos defendeu a implantação de uma TV
Pública no Município. A cidade detém hoje a concessão de um sinal de
rádio (Rádio Educativa), mas não dispõe de uma emissora de televisão –
seja em canal aberto ou fechado. As reuniões ordinárias, audiências e
eventos realizados pela Câmara de Vereadores são transmitidas pelo Canal
4 da Net, mas o Legislativo usa sinal emitido por uma concessão da
Assembleia Legislativa. “Eu sou favorável a um canal público, mas é
preciso que se tenha segurança que o equipamento será usado para a
prestação de serviços à população”, disse.

CONFECOM – Os debates da Conferência foram abertos na manhã deste
ABERTURA sábado. Formado em rádio e televisão pela Universidade de São
Paulo e com mestrado em Regulação e Políticas de Comunicação pela London
Scholl of Economics and Political Science, de Londres, o jornalista João
Brant falou sobre o marcos regulatórios. Disse que a democratização não
está, necessariamente, na implantação do marco regulatório, mas no ato
de fazer a comunicação. “O marco deve apenas abrir a possibilidade para
que todos os segmentos da sociedade consigam os meios para fazer a
comunicação”, disse.

A jornalista Renata Mielli, membro da Associação Vermelho, editora das
revistas Movimento e Presença da Mulher, falou sobre Controle Social e
Público da comunicação. “A comunicação é um direito e a sociedade tem o
dever de exercer o controle sobre ela”, disse Renata.

O engenheiro Alexandre Freire da Silva Osório, pesquisador em temas como
a inclusão digital disse que a tecnologia tem de servir aos anseios da
população” e não para ampliar a divisão existente hoje no País.

O professor e jornalista Luiz Roberto Saviani Rey, falou sobre
Comunicação Pública e defendeu uma relação de honestidade entre órgãos
oficiais e os profissionais de mídia. “Não faz parte das atribuições da
comunicação oficial reter ou dirigir informações”, advertiu.

Gestor do Núcleo de Rede Brasil Atual, Paulo Salvador, disse que a
sociedade precisa buscar formas alterantivas de comunicação. "Não
queremos repetir os erros da grande imprensa. Precisamos estabelecer uma
relação de direitos humanos com a sociedade e criar uma midia cidadã",
afirmou.

O jornalista Nelson Homem de Mello, diretor editorial da RAC, falou a
transformação pela qual o mercado de jornais vem passando, desde o
crescimento dos chamados jornais populares.

ABERTURA - A Confecom foi aberta na noite da sexta-feira (16/10), pelo
jornalista Caco Barcellos, da Rede Globo de Televisão. Para uma plateia
de aproximadamente 250 pessoas, o jornalista, que se notabilizou por
reportagens investigativas, criticou a postura da imprensa e dos
jornalistas. Segundo ele, a imprensa brasileira, de uma maneira geral,
ignora as pautas que surgem nas ruas.

A Conferência de Comunicação tem por objetivo debater o papel da
comunicação existente hoje no País e serve como uma preparação para a
Conferência Nacional, marcada para Brasília, para o período de 14 a 17
de dezembro. Antes, haverá uma conferência estadual, prevista para
meados de novembro em São Paulo.

A comissão organizadora da Conferência em Campinas é composta por
representantes da sociedade civil, da iniciativa privada e do poder
público. Foram discutidos cinco grandes temas: Marcos Regulatórios;
Controle Social e Público; Novas Tecnologias; Comunicação Municipal e
Comunicação Popular. Depois de uma manhã de debates, os grupos temáticos
se reuniram à tarde para discussões específicas. No final, haverá
votação de uma pauta única a ser levada para a Conferência Estadual.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

DENÚNCIAS DO JORNAL TODO DIA PODEM DERRUBAR LAGOS

COMENTÁRIOS JÁ DÃO CONTA DE "FRITURA"

A edição do Jornal Todo Dia/Campinas de hoje tem matéria assinada pelo competente Paulo Reda sob título: Base do Dr. Hélio se rebela e cúpula abandona Lagos onde diz que "no jargão da política, Lagos pode estar sendo 'fritado'".

A história deste matogrossense que chegou em Campinas e em pouquíssimo tempo pôs sua marca registrada em segmentos onde outros tentaram por muito mais tempo e não conseguiram. Uma de suas ações mais arrojadas enquanto secretário de Cultura, na gestão anterior do Dr. Hélio, foi criar a casa noturna Jockey Piano's Bar no espaço mais cobiçado do centro da cidade: o prédio do Jockey Clube Campinas. Os donos oficiais do espaço são os filhos do secretário.

O negócio rende, até hoje, comentários sobre como Lagos teria convencido a direção do Jockey Campinas a aceitar seu projeto. Outros empresários da noite que ousaram tentar, antes dele, projetar espaço para o até então ocioso prédio, foram rechaçados de pronto. Mesmo quando se tratava de instalar lá um espaço cultural, que não é o caso do Piano's Bar de Lagos.

O tempo passou mas a ação do secretário junto ao Jocky campineiro não foi esquecida. Há quem busque, ainda, hoje, levantar informações sobre a suspeita de uma possível inclusão do projeto de criação do Bar, na Lei Rounet, até agora não provada.

Agora porém o Jornal Todo Dia fere mortalmente a política de Lagos ao denunciar o escancardo benefício do secrretário à empresa de filmagens de sua filha em trabalho para a prefeitura o que rendeu o requerimento do vereador Artur Orsi para que o secretário dê expllicações sobre o caso ao Legislativo. A aprovação do requerimento jornal, de que a gordura está esquentando pro lado do secretário de Comunicação.

Vamos aguardar.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

ACABEI DE CHEGAR DO SHOPPING...

OUTBACK NO BRASIL GARANTE SOBREVIDA DA MARCA NO EXTERIOR

A moça que nos atendeu, no Outback do shopping d. pedro em campinas/sp agora a noite, era uma brasileira nata. Explorada pelo australianos ganhando R$ 2 e alguma coisa por hora e não pode trabalhar mais do que as horas que os australianos decidem ela fez a declaração mais arrasadora que eu podia ouvir.
"Estamos trabalhando aqui no Brasil para pagar o que a Outback não consegue faturar lá no exterior inclusive Etados unidos".
Escuta isso: os caras são australianos. Exploram os brasileiros para poder pagar o prejuízo que a crise provocou à marca no mundo.
Pior de tudo a moça brasileira falou tudo isso sorrindo...
Somos ou não somos escravos do mundo?
Ah e todas as menininhas brasileiras etavam fantasiadas de bruxa comemorando o Halloween...COISA DELES.
Somos ou não somos escravos do mundo?...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

LAGOS TROCA "SOCIEDADE" PELA FAMÍLIA



Depois de ver esta preciosidade de filme disponível no Youtube, leia a reportagem do Jornal Todo Dia replicada abaixo e veja se a troca da última palavra do secretário no filme por FAMÍLIA não se encaixaria direitinho na fala...

"Programa TV Saúde favorece filha de secretário

Ela exerce cargo de diretora na empresa TV 4 News, que desenvolveu projeto-piloto para a prefeitura

Daniel Azevedo e Paulo Reda - Campinas

O projeto-piloto de instalação da TV Saúde e da TV Emprego, implantado pela Prefeitura de Campinas, foi elaborado pela empresa TV 4 News, na qual Juliana Chagas - filha do coordenador de Comunicação do Executivo, Francisco de Lagos - ocupa o cargo de diretora de Planejamento há quatro meses.
Segundo o advogado especialista em direito público, Carlos Eduardo Oliveira, isso configura favorecimento, já que outras empresas não tiveram a oportunidade de desenvolver projetos semelhantes. “Ainda que sem custo para a prefeitura, o projeto-piloto ou qualquer outro nome que se dê é imoral pois outras empresas, caso convidadas, poderiam ter projetos melhores”, avaliou. O conteúdo dos programas elaborados pela produtora já foram apresentados durante alguns dias em pelo menos duas unidades de Saúde da administração, o Hospital Dr. Mário Gatti e o Centro de Saúde do Jardim Aurélia.

Lagos afirmou, durante a 1ª Conferência Municipal de Comunicação, realizada sábado, que a intenção da prefeitura é veicular o conteúdo da TV Saúde em todas as unidades de saúde do município e da TV Emprego em terminais urbanos e no Largo do Rosário.

O diretor da TV 4 News, Marcelo Marques, afirmou que a empresa - que existe há dois anos - investiu até agora cerca de R$ 400 mil na produção da TV Saúde e da TV Emprego. Marques informou que, inicialmente, não será cobrado nada pelos programas. “Nossa intenção é dar visibilidade aos projetos e comercializá-los posteriormente com outras prefeituras ou instituições privadas”, disse.

Para o coordenador de comunicação da prefeitura - que tem status de secretário - não existe irregularidade pois foi a empresa quem buscou a prefeitura para desenvolver um projeto de interesse público. “A TV 4 News está apenas desenvolvendo um projeto. Há interesse da prefeitura, mas se haverá contrato é uma outra questão. O objetivo é divulgar informações e orientações sobre saúde e emprego”, defendeu.

Quando perguntado em que modelo o projeto poderia ser efetivado, Lagos disse que a Secretaria de Assuntos Jurídicos deverá ser consultada. “Vamos consultar os assuntos jurídicos. Mas pode haver uma licitação, uma contratação direta com verbas de publicidade ou uma parceria com a iniciativa privada”, disse.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

CONFECOM E A QUESTÃO DOS 'PEQUENOS' E A VERBA PÚBLICA

O PERCENTUAL ESTÁ GARANTIDO. FAÇA-SE A LEI

Ainda que possamos e até devêssemos aplaudir enfaticamente a realização da 1a. Confecom - Conferência Nacional da Comunicação, não posso negar que estou cético quanto a possibilidade real de resultados significativos em benefício daqueles que mais esperam deste evento. Nem é preciso falar aqui que, de certa forma, o trabalho para chegar à fase nacional em Brasília em dezembro com disputa na base de unhas e dentes para estar lá como um representante oficial poderia ser evitado caso o governo Lula tivesse mesmo interesse em modificar para melhor a comunicação no país. Bastava, e muitos já o disseram, seguir a vizinha Argentina, onde Cristina Kirchner comandou uma reforma autenticamente democrática e vanguardista.

DO GENÉRICO PARA O ESPECÍFICO

Aqui em Campinas/SP, cidade que tem prefeito do PDT governando com amplo apoio político onde se inclui o próprio PT de Lula. A organização do encontro local, realizado no sábado dia 16 deste mês na Câmara Municipal visando discutir a comunicação no município e tirar decisões para envio à fase estadual em São Paulo, deixou muito a desejar. Uma comissão organizadora capitaneada pelo secretário de comunicação da prefeitura Francisco de Lagos foi formada às pressas e, da mesma forma, durante uma semana no máximo, seus integrantes tentaram, como uma pífia campanha de divulgação com enfio de algumas mensagens eletrônicas, chamar a comunidade para discutir o assunto. Os 250 participantes, boa parte estudantes de jornalismo afoitos em saber o rumo do diploma, foram saldados efusivamente e, apesar da insignificância do contingente, o número foi considerado pelos organizadores como muito positivo.

Com posição assumida sobre o evento por acreditar que "quando um não quer 250 não brigam" ou seja, como está dito acima, se Lula quisesse mesmo ele já teria assumido o comando da luta como está assumindo outras, decidi não participar da fase local. Como distante mas atento observador estou tranquilo ao tomar a liberdade de fazer considerações o que aconteceu na Câmara de Campinas, nos dias 15 e 16. Sim dois dias porque toda comissão organizadora que se preze precisa fazer uma sessão solene pós abertura do evento com o credenciamento dos participantes. Assim, na noite de sexta-feira, o jornalista Global Caco Barcelos fez a palestra de abertura. Na divulgação de que seria ele o lisonjeado com a abertura nenhuma explicação do por que ele. O que afinal Caco Barcelo - sem entrar no mérito profissional do colega - pode falar sobre a comunicação em Campinas? Nada. Afinal ele nunca a praticou aqui.

Assim, a abertura solene serviu mais para massagear o ego da comissão organizadora cujo comandante é um publicitário e as jovenzinhas jornalistas que acorreram à Câmara em busca de autógrafos do palestrante. Novamente sou forçado a dizer que também não vou entrar no mérito do conteúdo da palestra do colega. Desta forma, da sessão solene e credenciamento nada resta a dizer.

No sábado, o período da manhã ficou reservado para algumas apresentações que deveriam versar sobre os temas básicos. De quem esteve lá ouvi que entre estas falas, esteve a do Diretor de Jornalismo da RAC - Rede Anhanguera de Comunicação, que monopoliza o jornalismo impresso na cidade e já põe unhas e garras sobre audiovisual e internet, o jornalista Nelson Homem de Mello, por mais de 40 minutos, a fazer apologia dos veículos da casa que dirige e que lhe paga os vencimentos. Reagindo ousadia do diretor da RAC, jornalistas presentes editores de jornais alternativos cobram da mesa coordenadora dos trabalhos, presidida por Francisco Lagos - o secretário de comunicação da prefeitura - o mesmo direito. Em resposta teria restado apenas as reprimendas peculiares ao secretário publicitário.

O período da tarde ficou reservado para discussões em grupo. Novamente, por participantes fico sabendo que salvaram o período os eterno "carregadores de piano". Sim porque os ilustres nestas horas têm mais o que fazer. Então o secretário de comunicação da prefeitura não participou dos grupos de debate? Nem o Caco Barcelos? Nem o diretor da rede que monopoliza o jornalismo impresso na cidade? Nenhum diretor ou jornalistas das TVs que atuam no município? Como? Quem discutiu a comunicação na cidade então? simples os eternos "carregadores de piano", como a diretoria do sindicato, alguns representantes de entidades afins, alguns editores de jornais alternativos e alguns estudantes. Este é o típico final de todo evento/congresso/conferência/encontro dos quais já participei nestes meus 30 anos de jornalismo e cito como referência o I ENJAI - Encontro Nacional dos Jornalistas de Assessoria de Imprensa, realizado em Brasília em 1984, cuja bodas de prata é hoje celebrada pela categoria que conseguiu mudar o nome do evento para ENJAC - Encontro Nacional de Jornalista em Assessorias de Comunicação, mas não conseguiu mudar em nada a situação do profissional.

Então os lordes não participaram das decisões. Problema deles digo eu. Espero que os colegas presentes tenham a dignidade de apresentar as proposições aprovadas apenas para a devida chancela dos ausentes. Quem não foi, aceita o veredicto. Claro que aqui me incluo. Gostaria muito de ver Francisco Lagos secretário de comunicação da prefeitura, Silvino Godoy da RAC e José Bonifácio da Empresa Paulista de Televisão assinando a "Carta de Campinas" da Confecom Municipal com o percentual de 40% das verbas públicas para a comunicação sendo destinados aos "pequenos". É preciso que isto fique bem claro. O poder municipal da hora, e os patrões que apuseram a logomarca de suas empresas no banner de divulgação do evento, estão de perfeito acordo com as reivindicações a serem encaminhadas à Conferência Estadual de São Paulo, onde se destaca a reserva de 40% da verba gasta pela prefeitura com publicidade oficial sendo destinada aos alternativos.

Aí eu pergunto? Se a prefeitura através de seu representante legal o secretário da comunicação Francisco Lagos esteve lá e concorda com os 40%, se as empresas de comunicação rádio, jornais, tvs e internet estiveram ou não estiveram lá e concordam com os 40%, por que esperar pela estadual e pela nacional.

Que Campinas mostre ao país como se faz para avançar democraticamente nos problemas da comunicação. Que o executivo envie à Câmara Municipal um Projeto de Lei com um único artigo: Esta Lei prevê a destinação de 40% da verba publicitária oficial utilizada pela Prefeitura, para os veículos considerados 'pequenos', 'alternativos', 'comunitários' oficialmente estabelecidos no município de Campinas".

Não tenho a menor dúvida que, com uma Lei desta aprovada antes da realização da Conferência Nacional em Brasília em dezembro o panorama daquele evento será outro. Da mesma forma que o prefeito Hélio de Oliveira terá sua figura política avantajada ainda mais sobre por quem ele jura lutar com seu slogan de governo; "primeiro os que mais precisam" e até mesmo sobre o governo Lula e todo cenário nacional.

Fica aqui minha colaboração à distancia para o a Confecom-Campinas não termine lamentavelmente como outros tantos eventos do tipo.

À Lei. E cumpra-se!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

POLÍCIA LEVANTA POEIRA E PRENDE POLICIAL TRAVECO

IMAGINA O QUE "A COISA" NÃO VAI VENDER AMANHÃ...

São duas histórias que vão render muitas linhas nos jornais da região amanhã, especialmente naque "Coisa" produzida pela RAC para estimular a leitura de jornal pelas classes que estão lá no fim do alfabeto...

- Na Vila Padre Anchieta "ozomem" estouram LAB de pó e gudunham mais de 5 quilos. Arrisca no final de semana ter muito padeiro chorando: vai faltar farinha!

- Polícia prende policial civil traveco roubando clientes. Já imaginou? Se deram mole pra moçada dos clicks, a boneca vai ser capa da "coisa" amanhã. E como a notícia é boa, vamos fazer um exercício de futurologia e tentar imaginar a manchete daquela "coisa" que enriquece o vocabulário do povão. Lá vai:
1 - Policial traveco dá uma de macho: senta e depois rouba cliente
2 - Policial traveco esconde a identidade
3 - Amor pela pistola faz policial virar traveco
4 - Policial desiste das algemas e passa a usar argola
5 - Campinas descobre o transtorno TRIPOLAR: policial, traveco e ladrão

Se quiser pode sugerir aí no comentário

domingo, 11 de outubro de 2009

EDITOR DO CORREIO POPULAR AGE PIOR QUE O SENADO ARGENTINO

"NA CALADA DA NOITE, SENADO APROVA NOVA LEI DA MÍDIA"

Se o título "Na madrugada, Senado aprova no lei da mídia", viesse estampado como manchete da página B7, da edição do Correio Popular de hoje, sobre a nova Lei da Mídia aprovada pelo Senado argentino, da forma como o estruturei no meu sub título acima, o editor Paulo Martinelli (e provável autor do título original) haveria de ser muito mais coerente consigo mesmo.

A gana dele em condenar a aprovação do projeto em texto informativo o fez cometer deslize que considero igual ou pior aos que usam o subterfúgio da "calada da noite" para o que quer que seja.

Ao abrir o título com o aposto, "Na madrugada," usado como todos sabem para reforçar/destacar no texto uma determinada situação, ele explicitou ainda que subliminarmente a sua vontade de dizer "Na calada da noite..."

Felizmente ou infelizmente dois motivos o impediram e acredito que, capaz como ele é profissionalmente e bom conhecedor de política, caso contrário não seria editor, deve ter se lembradisso na hora de titular.

PRIMEIRO MOTIVO - No contexto profissional, o texto jornalístico caracterizado como INFORMATIVO não deve e não pode ser eivado pelo mínimo de OPINIÃO de quem escreve sobre o FATO. Assim, "Na calada da noite" escancaria a todos os leitores o posicionamento do editor em pleno título de matéria factual. Usando "Na madrugada," ele justifica o termo com o fato da votação final ter mesmo ocorrido de madrugada: 2;30 da madrugada de ontem. Mas, como sempre tem um "mas", diz a técnica de redação da língua e a segue assim também corretamente a jornalística, que as frase devem ser compostas por: sujeito, verbo e predicado e assim, nesta ordem. Assim como publica o próprio Correio Popular na sua chamada de capa; "Senado argentino(sujeito)aprova(verbo/ação)projeto da lei de midía (predicado)". E aí está o mais puro exemplo de título factual/informativo, isento. Podemos alterar esta ordem? Claro que podemos, mas há de ter motivos para justificar a alteração. E qual foi o motivo que levou o editor Paulo Martinelli a alterar a ordem construtiva, recomendada pela gramática da lígua portuguesa e pelas técnicas jornalísticas que ele aprendeu durante anos na faculdade, de uma frase usada como título em manchete de assunto de importância para o povo argentino, para os sulamericanos e até mesmo para o mundo? Por que ele deu esta imensa força à expressão "Na madrugada," tornando o aposto, criteriosamente virgulado, em primeiro elemento da estrutura textual quando deveria ser o último e poderia até ser suprimido, como no caso da chamada de capa? Bem, isto só ele mesmo pode responder...

SEGUNDO MOTIVO - No contexto político, e o editor sabe muito bem disso, Argentina não é Brasil. É Argentina. Podemos encaçapar os carsa no futebol o resto da vida, mas, politicamente vamos ter que viver como alunos ainda por um bom tempo. Então, o que quero dizer com isso? Quero dizer que o editor Paulo Martinelli não deveria nunca ter insinuado com sua expressão "Na madrugada," aposta em primeiro plano, que a votação e aprovação se deu "Na calada da noite", sob condições escusas, com plenário do Senado esvaziado por manobras da situação ou oposição. Não dá para aceitar mesmo. Na Argentina não. Aqui? bem... Mas lá a coisa é diferente. E só aconteceu de madruga (eu prefiro assim 'de madrugada', como de dia, de noite...) porque o assunto rendeu 16 horas de discussão entre senadores favoráveis e contrários a nova Lei. E com a Casa cheia. Precisa ser dito que dos 72 senadores argentinos, 68 estavam presentes à votação. Não temos notícia dos outro quatro, se ausentes ou se abstiveram de votar. Então, foi na madrugada? Foi sim. Mas porque os representantes do povo gastaram todos os seus argumentos, contra e a favor da proposta, em sessão que começou às 9 horas da manhã lá. Por isso, não cabia e não cabe o pretencioso "Na calada da noite" mesmo que subliminarmente passado pelo editor com o seu aposto virgulado "Na madrugada," puxando o título da manchete da página de Mundo do Correio Popular de hoje.

MINHA OPINIÃO: Os Kirchners fizeram lá o que o Lula e o PT não tiveram, não têm e nem vão ter coragem de fazer. Acabar com o monopólio da comunicação. Tenho certeza que o colega Paulo Martinelli deve ter ficado um tanto quanto frustrado ao ver a cobertura do Estadão para o mesmo tema. Literalmente contrário também à Lei aprovada lá, os editores do Estadão vazaram pelo ladrão. Preferiram enfatizar o fato de que o governo argentino ganhou força sobre a midia. E é verdade, inconteste. Mas ressaltou, (olha o meu aposto aqui) com profissionalismo, (aliás dois apostos) que a lei foi "aprovada com folga" em sua linha fina sob o título/manchete de cinco colunas da página A16. Mais ainda, o jornalão mostra em quadro quem ganah e quem perde com a nova lei: "O principal perdedor é o Grupo Clarín, maior empresa de mídia do país" - "Ganham os sindicatos e grupos empresarias menores ligados aos Kirchners". E diante disso pergunto que lei pode ser criticada quando favorece a maioria em detrimento da minoria (única e absoluta)?.

CONCLUSÃO:
1 - Paulo Martinelli, perdão, mas sua deslizada na manteiga argentina foi brutal.
2 - Salve argentinos que avançaram em questão crucial hoje no mundo: a comunicação.
3 - Ave Lula, acorda. Enquanto a Argentina explode o monopólio com apoio do Senado e do povo, nós aqui capengamos, a duras penas, para organizar uma Conferência Nacional de Comunicação, a tal Confecom, ouvindo desde o porteiro da rádio Caracatunfuro no mais remoto município brasileiro, para, nos moldes organizacionais do velho PT, discutir em trê ou quatro dias o que todo mundo já está cansado de discutir para decidir pelo que todo mundo já sabe: Fim ao mopólio da comunicação no Brasil e democratização do uso de verbas públicas na comunicação. Uma Lei de dois artigos e o Brasil seria outro no dia seguinte. Depois discutiríamos o resto.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

E ESTE JORNALISMO QUANDO VAI CHEGAR POR AQUI?

COMUNICADO À IMPRENSA EM MULTIMIDIA

Recebi agorinha mesmo este comunicado da PRNewswire

"Distribuído por PR Newswire Brasil para GILBERTO GONÇALVES
Vídeo: México, na vanguarda dos eventos de multimídia e abrindo a comemoração de seu bicentenário, apresenta o show da Vivace Producciones

BN003644 08 de outubro de 2009 09:25 HORALOCAL
Octavio Garcia Allende, Produtor e Diretor Geral e Martin Arnaud,
Diretor de Criação, criaram com muito sucesso uma maneira exclusiva
de mostrar a história do México

CIDADE DO MÉXICO, 8 de outubro /PRNewswire/ - O espetacular show
apresentado pelo Governo Federal conseguiu deslumbrar tanto os
mexicanos quanto os estrangeiros, graças ao trabalho duro, a
criatividade e a tecnologia da Vivace Producciones.
Para visualizar o comunicado à imprensa em multimídia, visite o
endereço: http://www2.prnewswire.com/mnr/vivaceproducciones/40316/">http://www.prnewswire.com/mnr/vivaceproducciones/40316/"



É no clickar no link que temos o objeto provocar da pergunta do título. Não é de ficar de boca aberta sobre a forma em que se apresenta o comunicado à imprensa?

Quando teremos material deste nível sendo distribuído por nossas assessorias?

Ah, e olha que é o México... não é Japão, EUA, Alemanha, Canadá... é México!

UM BLOG BOM DE JORNALISMO!

É preciso reconceituar o jornalismo

Não faz mais nenhum sentido chamar de Jornalismo o que fazem as corporações de mídia. Quem se preocupa com o lucro em primeiro lugar não é uma instituição jornalística. Não pode ser. Quando uma empresa passa a ter como principal meta o lucro, essa empresa pode ser tudo, menos uma instituição jornalística. E aí não importa a quantidade de estrutura e dinheiro disponível, pois a prática jornalística é de outra natureza..."


Este é só começo de um excelente texto de Marcelo Salles reproduzido na íntegra pelo Observatório da Imprensa e cuja leitura recomendo especialmente no momento que se discute diploma e rede de jornalistas.

sábado, 3 de outubro de 2009

QUIOSQUE DA BRAHMA NA NORTE SUL ENGANA NO BLACK

QUEM NÃO TEM COMPETÊNCIA, NÃO SE ESTABELEÇA

O ditado era frequentemente lembrado por minha velha mãe. E continua oportuno ainda hoje. Tem muita gente querendo fazer o que não sabe e aí...

Sexta-feira, dia 2 de outubro, noite quente em Campinas e, portanto uma boa oportunidade para um bom chopinho. Depois que a Brahma lançou o Black, tenho procurado as casas que oferecem o produto pois é realmente muito gostoso.

Não faz muito tempo abriram um "Quiosque da Brahma" na avenida Norte/Sul. Nas diversas passadas pela frente do estabelecimento a curiosidade era sempre despertada. Afinal era mais um espaço onde o Black parecia estar presente.

Pois na noite de sexta, junto com a família, resolvi conhecer o novo espaço que não é apenas um quiosque mas um bar bem maior incluindo ambiente fechado e com ar refrigerado.

Escolhemos mesa ao lado de fora e enfatizamos no pedido. Três Blacks e uma Pepsi lata. Quando os chopps desceram à mesa nos copos próprios para a bebida pelo manual do fabricante fomos tomados de surpresa. O líquido dentro do copo não passava de chopp preto e não o especial Black.

Reclamamos com o garçom e solicitamos a presença do responsável. O proprietário nos atendeu. Explicamos que o chopp servido ou não era Black ou estava muito mal tirado. Ele retrucou dizendo que era sim o Black.

"Do balcão até a mesa ele fica assim mesmo", ele tentou justificar.

Até poderia fazê-lo a quem não conhece o Black bem tirado (Braz Pizzaria, Quiosque Brahma do Shopping D. Pedro, Catedral do Chopp...)mas para bom bebedor soou como piada.

Pior ainda, o homem insistiu e disse que a Brahma era responsável por aquele chopp que ele mesmo reconheceu não estar bom. "A Brahma manda chopp diferente cada vez que entrega. e aí fica assim mesmo".

Diante do reconhecimento da péssima qualidade do chopp pelo próprio dono do estabelecimento. Imaginei que não haveria necessidade de pagar a conta, pelo menos dos quatro chopps pedidos e deixados na mesa praticamente intocados.

Pois não é que o cara cobrou o chopp ruim que não bebemos? R$ 25,30 por 4 chopps não bebidos e uma Pepsi lata, incluindo 10% do garçom.

O alerta está feito e cópia desta postagem está seguindo para o SAC da Brahma. Espero que a empresa descredencie a casa pela incompetência no servir o melhor chopp do momento: o Black.

Na foto, o pagamento dos chopps cheios. O conteúdo do copo vazio foi jogado na canteiro dinate do bar.

Eu aquela casa não engana mais. Saí de lá e fui direto para a Braz Pizzaria curtir o verdadeiro Black Brahma e pizzas de qualidade ímpar.

Quem quiser arriscar.. fique a vontade. Quiosque da "Brahma" na Norte Sul. Vai lá vai...


sexta-feira, 25 de setembro de 2009

LISTA DA PREFEITURA COMEÇA EVAPORAR

MATRICULA DIVULGADA SERIA DE COLUNISTA SOCIAL

Está correndo solta na rede uma mensagem dizendo que "a matrícula 829234, que está na lista oficial da prefeitura, é do Almir Reis. E o salário é R$ 10.178,34. Cargo: AG.SUPORTE TÉCNICO DEPTO.DE TURISMO".

Como não concordo com isso tipode coisa e até para comprovar a veracidade da informação, não tive dúvidas, redirecionei a mensagem para o Ministério Público.

Vamos aguardar.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

NELSON HOMEM DE MELLO DE FRANKFURT

ANTONIO FORNAZIERI JR DA REDAÇÃO DA RAC

Mais uma vez a gloriosa Ruim Antes de Cristo mostra como é "boazinha" com seus funcionários.

E a prova cabal desta política de "premiar" (com o dinheiro dos outros, diga-se) está na edição de hoje do "motor" que mostra "o brilho do São de Automóveis de Frankfurt".

Na página dois o editor Antonio Fornazieri Jr, escreveu:

"Não há crise que resista a uma paixão secular: a despertada pelo automóveis. Os velhos ingredientes - carrões, 'carrinhos', mulheres bonitas e muita tecnologia alternativa - estão lá em Frankfurt..."

Este é o primeiro parágrafo de seus texto encimado pelo pomposo titulo "Tributo a uma paixão inabalável" que é coberto ainda pela linha fina "O Salão de Frankfurt, que termina domingo, resiste aos efeitos da crise e mais uma vez é sucesso de público".

Lendo linha fina, título e as primeiras linhas de sua matéria chegamos a imaginar que o empenhado editor estive em Frankfurt cobrindo o evento. Mas um pequeno detalhe na sexta linha do texto editado na página 2 faz o leitor para para pensar. No meu texto aqui o detalhe encerra o parágrafo reproduzido do jornal: ...- estão em Frankfurt..." (o negrito é meu).

Bem, se "estão lá", quem escreve está aqui. Então o editor do caderno não foi a Frankfurt. Seguindo o texto imagina-se que ele tenha produzido daqui o texto "adornado" pelas fotos de carros e mulheres assinadas por fotógrafos da agência France Press.

Mas até ele não ter ido e ter produzido o material aqui não significaria nada, afinal, o próprio texto ressalta a crise. Acontece que no último parágro do seu texto, como no primeiro, um outro detalhe chama a atenção do leitor.

Diz ele nas quatro últimas linhas: "Nas próximas páginas desta edição (fechada aqui em Campinas, na Vila Industrial - a expllicação é minha), o leitor vai conferir as principais novidades do IAA 2009, reveladas pelo nosso enviado especial"... (o negrito também é meu).

Se o editor do caderno naão foi para Frankfurt cobrir os carrões e as mulheres lindas, quem foi?

A resposta está na página 3, na assinatura da matéria sob título "O futuro é dos pequenos": Nelson Homem de Mello - de Frankfurt - mello@rac.com.br

Para quem não sabe, Nelson Homem de Mello é diretor da RAC e posso dizer com muita convicção que nunca tinha visto um texto seu assinado nas publicações da RAC especialmente no "motor". Não que ele não possa produzir e assinar texto pois é profissional e muito competente para isto.

Pois bem no final do seu texto tem uma pequena nota aberta por asterisco: "* O jornalista viajou a Frankfurt a convite da Anfavea - Associação Fabricante de Veículos Automotores"

E o que sito significa?

Primeiro que não foi nem o jornalista nem a RAC quem pagou a "cara" viagem.
Segundo que, quando o jabá é muito bom, ele não vai à mesa do peão, é servido aos homens que ocupam os cargos mais elevados dentro da empresa jornalísticas apesar de, na maioria das vezes, o convite ter como destinatário o editor do caderno especializado.
Terceiro que todos os profissionais do meio sabem que os jabás oferecidos pela Anfavea não são jabás mas mordomias faraônicas logo capaz de desperta cobiça até de quem tem condições de ir ao IAA por conta própria, como é o caso do diretor da RAC e que não é oc aso do editor do "motor".

Por isso Nelson Homem de Mello foi para Frankfurt e Antonio Fonazieri Jr ficou em Campinas, na Vila Industrial escrevendo para apresentar o enviado especial.

POr fim tem ainda um outro detalhe no texto de abertura do Fornazieri. Lá ele diz que o IAA é realizado a cada dois anos e que o anterior foi realizado em 2007.

Se não me falha a memória, naquele o editor da "motor" e até acho que era também o próprio Fornazieri, também não foi. No lugar dele mereceu o carinho dos donos da RAC, outro diretor, Luiz Cesar de Souza Pinto, que ocupa cargo de Editro Executivo como consta no expediente da RAC publicado no Correio Popular.

Assim se Fornazieri continar editor do "motor" até 2011 quando acontecerá o próximo IAA, ele muito provavelmente ainda não irá como enviado especial. Em seu lugar provavelmente vá Marcelo Pereira, ou Editor Executivo, cujo nome aparece logo abaixo do de Luiz Cesar no mesmo expediente e portanto, a seguir o racícionio dos donos Godoys da empresa, deverá ser o próximo merecedor do prêmio que Anfavea paga e poderá desfrutar das mordomias faraônicas na Alemanha entre carrões emulheres bonitas.

Ao Fonazieri caberá a tarefa de anunciar em texto, aqui em Campinas, na Vila Industrial, em sua cadeirinha na redação da RAC, o "trabalho" do enviado especial mostrando as novidades do IAA 2011.

É espera para ver.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O 'VENDILHÃO" RESSURGINDO DAS CINZAS

O NOME DELE É ORESTES QUÉRCIA

É o seguinte: se o que Ciro Gomes disse em sua entrevista ao Estadão de sábado for verdade e, pior ainda, se confirmar, juro que deixo o país.

Está lá com todas as letras uma trama sórdida para levar Dilma à presidência:

Colocar Orestes Quércia como vice na chapa!

Eu cansei de pichar "VENDILHÃO" em muros, pontes e viadutos de toda Campinas quando essa coisa fechou o Jornal de Hoje lá nos anos 80.

Está feito o desafio aqui.

Se a dupla for feita e levar eu sumo desta porra!

A HISTÓRIA DE SOLEDAD 'VIVE' PERTO DE NÓS

Estamos eu e minha cara metade, depois de um cineminha no feriadão de 7 de setembro zanzando entre as prateleiras de uma livraria em busca de "Z A Cidade Perdida".
Nada.
Não chegou ainda, disse a funcionária.
Continuamos lendo títulos, vendo capas, quem sabe alguma coisa interessante. Lembro de um lançamento que me chamou a atenção em leituras diárias de jornais. Não lembro o título, nem o autor, nem a editora. Recorro à esposa: vc lembra o nome da mulher do Cabo Anselmo? Não! Ela foi enfática.
Por trás de mim saiu a voz da funcionária, enfática também: Soledad!
Isso mesmo disse eu. Este é o título do livro que estou buscando também.
Não temos, infelizmente. Ela continuou.
Pena, disse eu.
E como um "gancho" daqueles demolidores aplicados com maestria e força por boxeadores profissionalíssimos, ela me indaga: Se eu disesse que sou filha dela, vc acreditaria? Quase quedo e disse, não!
Era verdade. A história de Soledad está viva e muito perto de nós.
NE: Para quem não sabe Soledad, uma linda jovem Paraguaia viveu romance com o Cabo Anselmo que a delatou ao famoso delegado Fleury e que acabou morta em 1973 no Recife.
Urariano Mota acaba de lançar pela Boi Tempo, o livro "soledad no Recife".
No blog "Sapoti da Japaranduba" tem mais...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

E A TELEFONICA TRAVA SPEEDY POR 16 HORAS

EM BAIRRO DE CAMPINAS O SERVIÇO FOI INTERROMPIDO SEM NENHUM AVISO

Ah, é mentira que não teve aviso... Teve sim. A empresa manteve na tela dos computadores pelo periodo que o serviço ficou fora do ar uma mensagem que, ironicamente, oferecia oferta para ampliação da velocidade do próprio Speedy. A mensagem que ficou na tela foi a primeira abaixo. A segundo é uma alusão do que se entendia que a Telefonica estava dizendo aos usuários...


quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O CORREIO POPULAR TÁ MESMO UMA BAGUNÇA

NEM NAS CHAMADAS DE CAPA ELES SE ENTENDEM

O que antes era pensado para facilitar a leitura produzindo jornais em cadernos específicos por editorias, agora se transformou em bagunça geral.

Não há mais caderno. E organizar a edição com cada vez menos página vai ficando mais difícl a cada dia que passa. Hoje por exemplo, tem chamadas de cpa indicando o leitor para ir às página B17, quando na verdade a matéria correspondente está A17. É uma bagunça ou não é?

Não bastasse isso o pessoal do CP continua apostando no Esporte. Deve ser por pensarem em vender mais com Corinthians, Macaca, Bugre e coisas do gênero. Nos dias de edição mais magra o Correião chega a sair com 5 páginas de Esportes contra apenas uma ou duas de Cultura. É ou não é um descalabro.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

RESULTADO DA "ESPECIAL" DO CORREIO POPULAR EM BRASÍLIA...

...A REVOLTA DE UM ESTUDANTE E UMA FAXINEIRA!

Tem algumas coisas no jornalismo daqui desta terra que a gente não consegue mesmo entender.

O "jornalão" local, quer porque quer, mostrar que vai além das nossas fronteiras. Nesta vã tentativa enviou repórter a Brasília. Sob rubrica de "reportagem especial" a chamada de capa foi ilustrada por uma foto de Diada Sampaio, da Agência Estado; como título: "Olhar sobre o furacão Senado"; na linha fina: "Correio visita a Casa e constata clima constrangedor" e no texto indentificou o autor da matéria: Venceslau Borlina e misturou informação da Agência Estado com informação do seu repórter... (Os negritos são do original)

Na página B4-Brasil o título "Caos instalado abala o poder" tem tudo a ver com com a situação resultante do trabalho jornalístico de "O Estado de S. Paulo" e praticamente nada com o que o repórter diz que viu por lá. A foto ilustrativa da matéria é assinada por Marcelo Casa Jr., da Agência Brasil e mostra senadores comportadamente sentados acompanhando um pronunciamento que ninguém sabe quando foi.

O texto da "especial" é cheio de "achismos". Logo no início, diz que "é quinta-feira e começa a sessão legislativa do Senado Federal". Nem a data e hora da sessão presenciada são informadas. Quem a preside e a mesa e que a compõe, também não. O número da sessão, pelo menos, teria ajudado, mas nada.

Na sequência, o leitor atento, deve pensar que o repórter é vidente. "Nos televisores dos gabinetes dos senadores e nas repartições administrativas, o Vídeo Show da Tv Globo, dá espaço à transmissão ao vivo da TV Senado". Só os Senadores são em 81. Estariam mesmo todos os televisores dos gabinetes (e mais os das repartições) sintonizados no Vídeo Show, como o repórter quer nos fazer crer. Pode ser, mas pode ser não é jornalismo. Bastaria ter identificado um gabinete e uma repartição só para tornar a descrição mais fiel e portanto mais crível.

Segue o barco: "E quando menos se espera alguém de dentro da sala dispara: "Começou o circo". Dito assim fica fácil. Mas o repórter não estava na sala? Não viu quem "disparou"? Ainda que não soubesse o nome poderia descrever o dito cujo: aparência, traje e localização na sala... Só isto tornaria sua descrição mais fiel e portanto mais crível.

E vamos que vamos: "Não demora muito e, no plenário, já começa o bate boca entre os senadores. Acusações vexatórias envolvendo denúncias pessoais financiadas com o dinheiro público vêm à tona sem se pensar nas consequências". Mas nem um nominho de senador, do entre vírgulas no plenário, nobre colega repórter? "Denúncias pessoais finaciadas com o dinheiro público". Perdão nobre colega repórter mas eu nunca vi uma "denuncia financiada com dinheiro público"... Se presenciou, nobre colega repórter, poderia ter explicado ao leitor, não? "...sem se pensar nas consequências." Que conclusão é esta nobre colega repórter? Podemos até dizer que muitas das esperadas consequências das denúncias não se concretizam, para o bem ou para o mal. Mas pensar e expressar este pensamento em matéria jornalística assinada, nobre colega repórter, que senador denunciante não pensa nas consequências, ou é levianismo, ou desconhecimento do jogo político.

E vai: "O circo, ao qual um dos funcionários de referia, está armado. As luzes se acendem, as atenções se voltam para o picadeiro e o espetáculo (re)começa. Essa é apenas uma das reações explícitas dentro do Senado Federal em tempos de crise política - uma das maiores já vistas no Congresso Nacional". A reação à qual o nobre colega repórter se refere foi explicitada por quem? Não cara de quem estava explícita? Na fala de quem? Que circo é este? Que luzes, picadeiro e espetáculo são estes? Quem deu o direito ao repórter para analogias depreciativas ao Senado Federal e resultantes de seu próprio modo de pensar, em texto jornalítico informativo de uma reportagem?

"...O avacalhamento é geral inclusive entre os senadores. A casa que já foi sinônimo de nobreza e palco de relevantes discussões, agora amarga um escândalo atrás do outro. No centro desses escândalos está seu representane maior, o senador José Sarney (PMDB-AP)... é acusado pela existência dos chamados atos secretos (nomeações de servidores em comissão sem publicação oficial)..." Quem são estes senadores que avacalham o Senado, nobre colega repórter? Uns dois nomes pelo menos que o nobre colega repórter pode citar? Generalizar não. Se a idéia aqui era situar o leitor, mencionar que a denúncia foi feita inicialmente pelo jornal "O Estado de S. Paulo", não custava nada.

"...Pelos corrredores da Casa, a expressão que se vê no rosto de cada cidadão é de repulsa. Até parece que o Senado Federal se tornou um grande lixão. Mas há também os sentimentos de desconforto, indignação, lamentação e envergonhamento. O que seria motivo de orgulho, tornou-se decepção geral para a Nação." O depoimento que segue o texto do nobre colega repórter não expressou nada do que ele apontou no parágrafo acima. "Esperava que as coisas não fossem assim tão evidentes. Éstranho ver os senadores eleitos...", disse o estudante Thiago Linhares, de 17 anos, que acompanhava a visita monitorada ao Senado. "É estranho", disse ele e não que sentia repulsa, desconforto, indignação, lamentação ou envergonhamento, então... E esta expressão "decepção geral da Nação, nobre colega repórter? Deve ser cópia da célebre frase do "Dia do Fico". Generalizou novamente, ruim isto.

"...Em cada canto da Casa é possível ver senadores conversando de forma secreta. Parecem articular ações que daqui a pouco vão ganhar as manchetes de todos os noticiários brasileiros..." Conversando de forma secreta? Não teria sido melhor nobre colega repórter, confabulando? Afina, se é secreta... Como o nobre colega repórter chegou à conclusão que parecem articular ações que ganharão as manchetes? Bola de cristal?

"...Nas reuniões das comissões, que acontecem diariamente, a toda hora, o assunto em pauta é debatido, mas as atenções...estão voltadas para os desdobramentos da crise". O nobre colega repórter esteve em Brasília e acompanhou quantas reuniões de comissões que acontecem diariamente e a toda hora? Podia ter citado uma só para tornar o texto mais fiel e portanto mais crível.

"... Entre alguns senadores, há uma vontade uma vontade de retomar as relevantes discussões do passado distante, mas uma grande maioria insiste em discutir as denúncias, com o claro objetivo de avacalhar, de ridivularizar e, o que é pior, sem grandes possibilidades de punição..." O nobre colega repórter não podia ter citado/ouvido pelo menos um senador com vontade de retomar as relevantes questões do passado; e pelo menos dois (a grande maioria) que só querem avacalhar e ridicularizar? Mais uma vez, como o nobre colega repórter chegou à conclusão do "que é pior, sem grandes possibilidades de punição? O depoimento que segue o texto destacado acima, "Vai acabar tudo em pizza", não merecia sequer ser citado, afinal, quem o disse, segundo o nobre colega repórter, foi "a servente da empresa contratada pelo Senado para a limpeza geral". Um bom editor exigiria, no mínimo, provas de que o repórter conversou mesmo com a servente. Vai ver ela e a empresa contratada para a limpeza geral devem estar nos "atos secretos" do Sarney. Espero que o leitor do Correio Popular não confunda esta tal "limpeza geral" mencionada pelo nobre golega repórter.

Já lá no fim do texto, o nobre colega repórter mostra que foi a Brasília para, no plenário, lembrar o que aconteceu ali na semana passada:"...Mas, se de um lado tem senadores querendo o fim e a punição certa, há outros que parecem querer é confusão. Prova disto foram os debates travados no plenários nesta semana passada. No centro das discussões estão principalmente senadores como Arthur Virgilio PSDB-AM), Tasso Jeressati (PSDB-CE), Renan Calheiros (PMDB-AL), Fernando Collor de Mello (PTB-AL) e Pedro Simon (PMDB-RS)..." Então quem quer confusão são, principalmente, os cinco senadores citados nobre golega repórter? E quais são os que querem o fim (do que) e a punição (para quem) certa?

o último parágrafo: "...A semana foi difícil, confessam os senadores. Mas e as próximas? Diante de instabilidade, fica difícil saber até quando perdurará essa situação. Enquanto isso, as apostas estão abertas para descobrir sobre qual (ou quais) motivo interessaria tanta confusão, tanta desordem. Aos cidadãos, com certeza não". A confissão dos senadores, nobre colega repórter, lhe foi feita ao pé d'ouvido individualmente ou por aclamação no próprio plenário? E já que eles disseram que a semana foi difícil, ficou difícil para o nobre golega repórter saber até quando PERDURARÁ a situação. E apesar de dizer que as apostas estão abertas, não sei se os leitores do CP serão capazes de entender que devem apostar para "descobrir sobre qual motivo interessara tanta confusão, tanta desordem." Sobre qual motivo interessaria nobre colega repórter? Dê seu palpite para os apostadores.

O texto acaba mas uma nota no pé indica: "Leia mais sobre o Senado pa página B5". É a página seguinte e o texo informativo andamentos de projetos relevantes é assinado pela Agência Estado. Ao final do texto há a frase do senador Paulo Paim(PT-RS) dita ao repórter da AE: "Chegamos ao fundo do poço. Temos de sair disso, voltar a trabalhar" e com a qual o Correio Popular "enriqueceu" a chamada de capa sobre a "especial" do repórter Vescelau Borlina, sem nenhuma menção ao senador petista.

Assim, mais constrangedor que o clima do senado pseudo-constatado pelo Correio é ver um veículo jornalístico enviar repórter à capital do país não para dizer o que disse,
mas para não dizer.

A confusão é TANTA que vale perguntar: O que este repórter foi fazer de ESPECIAL em Brasília?

quinta-feira, 30 de julho de 2009

ASSESSORIA DE IMPRENSA: CURSO DE UM DIA POR R$ 830,00

OFERECIDO PELA ABERJE

A sigla ABERJE já simplificou o título Associação Brasileira dos Editores de Revistas e Jornais Empresariais. Hoje a entidade se denomina Associação Brasileira de Comunicação Empresarial.

Mas, vamos ao curso e comecemos pelo texto que convida "o/a comunicador(a)":
Hoje sabemos sobre a importância de controlar o que é publicado pela imprensa, uma vez que estas publicações podem influenciar positiva ou negativamente a imagem e reputação de uma organização.

Depois o título e o conteúdo:
Assessoria de imprensa na construção da imagem institucional
O desenvolvimento de ações junto à Imprensa é antes de mais nada uma ferramenta estratégica de gestão, uma vez que trabalha a imagem e a reputação da empresa. O jornalista é um importante formador e duplicador de opinião e, nessa condição, torna-se um aliado fundamental, a ser conquistado e mantido. O objetivo? Fazer da empresa uma autêntica fonte de informação. Se conduzido de forma profissional e ética, esse processo poderá trazer como conseqüência a publicação dessas informações, transformando-as em notícia.

O trabalho de assessoria de imprensa deve ser baseado em ações planejadas, com objetivos e estratégias muito bem estabelecidas, coerentes com a Política de Comunicação da empresa.

A manutenção constante do canal de comunicação entre empresa e Imprensa, baseada em posturas éticas, trará bons resultados para ambos os lados. A Imprensa precisa de informação (matéria prima de seu trabalho) e a empresa precisa mostrar suas pesquisas, aplicações, novidades e resultados para a sociedade – daí o interesse mútuo característico desse relacionamento.

Objetivo

Discutir a importância da Imprensa na formação da imagem institucional da empresa; debater a Assessoria de Imprensa como ferramenta de bom relacionamento com os jornalistas; levantar questões sobre o futuro do mercado de trabalho.

Metodologia

O programa será desenvolvido através de processo dinâmico, com discussão de conceitos teóricos e experiências de mercado (apresentações expositivas alternadas com discussão em grupo). Será utilizado material complementar (transparências, recortes, livros, exemplares ilustrativos) visando manter o dinamismo das aulas.


Programa

1. Função estratégica da Comunicação
2. Análise do processo de comunicação externa
3. Breve histórico da atividade no Brasil
4. Assessoria de Imprensa é jornalismo?
5. Relacionamento com a Imprensa; conceito, objetivos e ações
6. Conflitos e acertos entre Redação e assessor
7. Planejando o trabalho de divulgação
8. Tendências do mercado de trabalho
9. Assessoria externa, importante aliada
10. Como analisar resultados

Preço do curso: R$ 600,00 para associados e R$ 830,00 para não associados.

Ou seja, para quem não é associado a hora/aula, considerando-se 8 horas de curso (das 9 às 18 horas com intervalo presumivel de 1 hora para almoço) custará mais de R$ 100,00 para discutir "a importância da imprensa na formação da imagem institucional da empresa" e saber que para isto é preciso trabalhar "com objetivos e estratégias coerentes com a política de comunicação da empresa".

Por isso assumi, de uns tempos para cá, a radical postura de entender a Assessoria de Imprensa como atividade de Relações Públicas e não de Jornalista.

Por fim adoraria conhecer o conteúdo do item 4-Assessoria de Imprensa é Jornalismo?, a ser desenvolvido no curso. Seguramente a resposta deverá ser negativa se levarmos em consideração o explicitado no título/tema do curso: "Assessoria de imprensa na construção da imagem institucional", que muito bem poderia ter outra construção: Assessoria de imprensa para construir a imagem institucional" ou ainda mais afinada com a entidade que o patrocina: "Assessoria de imprensa para construir a imagem empresarial".

Para quem quer um curso deste e tem condições de desembolsar R$ 830,00, faça bom proveito.

terça-feira, 28 de julho de 2009

E A APELIDADA "GRANDE IMPRENSA" DE CAMPINAS HEIN...

FURO NELES!

Se a RAC (Ruim Antes de Cristo) tiver interesse podemos preparar um curso de aprofundamento em jornalismo para o pessoal da casa. É só discutir os custos...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

DEMITIDA DA RAC ASSUME NO SINDUSCON

WILMA GASQUES ASSUME NO LUGAR DE MONICA MONTEIRO

A mudança foi anunciada em comunicado divulgado pela entridade:

"Prezados,
Comunicamos que desde 1º de julho a Srta. Monica Monteiro não mais atende a esta Regional SindusCon como assessora de imprensa.

Aproveitando o processo de reestruturação interna, contamos agora com a assessoria da Sra. Vilma Gasques que vem de atividades junto a imprensa de Campinas e região para contribuir e somar a nossa equipe.

Atenciosamente,

Luiz Cláudio M. Amoroso
Diretor Regional Campinas"

segunda-feira, 6 de julho de 2009

O OBUDSMAN DA FSP RADICALIZOU

CARLOS EDUARDO LINS DA SILVA ACUSA JORNAL DE FRAUDE

Para ler e deduzir o final do artigo do ombudsman:
"...Se a Folha quer mesmo esclarecer o assunto, é simples: deve identificar a fonte que lhe enviou eletronicamente a ficha (assim, o público avaliará sua credibilidade) e instá-la a fornecer o documento original para exame de peritos isentos e pagos pelo jornal.

Só isso elucidará o caso, embora para leitores especializados em artes gráficas, nem seja necessário. Alguns me mandaram material convincente para comprovar a fraude.

Um deles, André Borges Lopes, diz que “trata-se de falsificação tão grosseira que qualquer técnico do departamento de arte do jornal poderia detectar os indícios de fraude em cinco minutos de análise”
.

LEIA: FNDC

Se ele afirma que o material enviado por leitores é "convincente para comprovovar a fraude" ele está literalmente acusando o jornal de fraude!

Onde estamos!? Um país onde o ombudsman acusa o veículo onde ocupa o cargo de fraudar documento e ninguém faz nada não pode ser um país sério! Ação pública já. Fecha Folha!

Vamos Twittar: FECHA FOLHA!

RUIM ANTES DE CRISTO VAI PIORANDO AINDA MAIS

DEZ LIÇÕES DE CASA PARA A RAC ECONOMIZAR:

- 1 - Acaba com esta edição lamentavelmente vergonhosa de segunda-feira;
- 2 - Edita esportes apenas em duas páginas - Ponte, Guarani e esporte amador
- 3 - Acaba com Editoria Internacional
- 4 - Acaba com a Editoria Brasil
- 5 - Acaba com a Editoria Economia
- 6 - Vende a página da coluna social para o colunista
- 7 - Acaba com resumo de novelas, horóscopo, esoterismo, cruzadas e sodoku, programação de tv
- 8 - Acaba com caderno Infantil
- 9 - Acaba com Caderno Turismo
- 10 - Enterra o defunto Diário do Povo.

A partir daí faz jornalismo "arroz com feijão" - "profissional e ético", com três editorias: Local, Esportes, Variedades.

Ou não foi assim que o "Glorioso" Correio Popular se fez?

ET. Se quisrem justifico cada uma das medidas sugeridas.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

RAC - RUIM ANTES DE CRISTO - DEMITE DE MONTÃO

NENHUMA NOTA OFICIAL DE NENHUM DOS DOIS LADOS!

Se não fizeram acordos acachapantes vai ter demitido que vai entupir a conta corrente de grana. Só para dar um exemplo, o nome de Renato Otranto aparece entre comentados como demitido. Quando passei pela redação do então Correio Popular em 1980 ele já estava lá há alguns bons anos.

Se ele e outros não aceitaram serem demitidos do Correio Popular para serem re-admitidos quando da criação da RAC e da AAN Agência Anhanguera de Notícias, a grana vai ser boa. Se aceitaram aquela absurda proposta patronal, vão chorar na rampa...

Espero que os não demitidos não aceitem também a humilhante situação de um mesão que produziria todos os veículos da RAC sem um realinhamento salarial. Entre eles claro, não incluo os apaniguados que adoram viajar para o exterior em hotéris de alto luxo na base da tão ou mais humilhante situação de "O repórter fulano viajou a convite de..."

Por esta grana no salário para permitir que o repórter leve junto consigo a família, nem pensar.

RAC: não tem jeito é RUIM ANTES DE CRISTO e provavelmente afunde no atoleiro muito antes do que se possa imaginar.

domingo, 28 de junho de 2009

SINDICATO ELOGIA COLUNISTA POUCO ELOGIÁVEL

CONSULTA TERIA REPROVADO PROPOSTA

Em carta para a Coluna do Leitor do jornal Correio Popular de Campinas, o diretor regional do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, Agildo Nogueira Junior, diz: "...a Regional Campinas do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo (SJSP) parabeniza o articulista pelo texto Clodogil (23/) que, com clareza e objetividade, aponta os erros praticados pela suprema corte brasileira em benefício de grupos econômicos."

Em primeiro lugar é preciso que se diga que diretor nenhum tem o direito e o poder de falar em nome da entidade, em situações polêmicas especialmente, sem que faça um ampla consulta junto aos seus representados.

O elogio não é HUNANIMIDADE e sem a consulta não tem LEGITIMIDADE.

Ainda que o diretor da Regional tenha alertado no início da sua carta para o respeito aos costureiros e costureiras e "mesmo, na maioria das vezes, discordando das posições de Manuel Carlos..." levar consigo todos os sindicalizados em iniciativas como esta, especialmente em relação ao parabenizado cuja presença nas páginas do CP tem sido criticada por integrantes dos mais variados segmentos da sociedade campineira, é um fato grave.

Pessoalmente e até profissionalmente, pois uma coisa é inerente à outra, o diretor da Regional poderia elogiar, parabenizar, louvar enfim se expressar como quizesse em relação ao colunista e seus artigos.

Na mesma página do jornal e na mesma coluna, Márcia Quintanilha, assina também carta de parabéns ao professor Luiz Roberto Saviani Rey, identificando-se como diretora da Fenaj mas em momento algum disse que era a Fenaj, enquanto instituição, quem parabenizava. Mesmo que deixando passar sutilmente esta intensão usando o verbo com o qual inicia sua carta primeira pessoa do plural.

O escorregão do diretor portanto é merecedor de reparos e uma nova carta à coluna retificando sua declaração no que tange o envolvimento da Regional (especificamente), seria de muito bom alvitre.

Como sindicalizado há mais de 30 anos espero que ele o faça.

FSP TAMBÉM MANDA ENFIAR O DIPLOMA...

A FOLHA PELO MENOS É COERENTE, POIS SEMPRE MANDOU ENFIAR O DILOMA!

"As empresas vão continuar buscando no mercado os profissionais de jornalismo com diploma..."

"As escolas de jornalismo não vão acabar..."

"Um jornalista com diploma sempre terá vantagem no mercado..."


TUDO BALELA!

Quanto tempo faz que o STF exterminou com o diploma? Uma semana? Então... A FSP não perdeu tempo. E como sempre mandou mesmo enfiar o diploma de jornalismo já está contratando recem formado de qualquer área.

Será que aceita diploma cozinheiro?

Receio que a FSP tenha que acabar logo com o seu tal programa de treinamento em jornalismo diário. Não haverá gente suficiente e nem "saco" para selecionar os zilhões de interessados das mais diversas e "qualificadas" faculdades do país!
Tomara mesmo que isto aconteça. Via ser muito engraçado.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

PRESIDENTE DO STF É COZINHEIRO

UMA BELA CHARGE DE UM CHARGISTA QUE ERA JORNALISTA






"Compartilho com vocês, abaixo, a charge do Clayton.
Ele é do jornal O POVO, de Fortaleza. E, pra mim, um dos melhores do Brasil.
Detalhe: Clayton foi meu aluno de jornalismo. Depois de anos na Redação resolveu ir para a faculdade, ter a formação de jornalista. Passou 4 anos indo à noite para a faculdade depois de um dia de trabalho.
Se não me engano, se formou no ano passado.
Acho que a charge ilustra bem o que ele sente.
Cristiane Parente"
Da Lista Jornalistas da Web

GLOBO DIZ QUE CURSO ENSINA TÉCNICAS...

GLOBO DIVULGA COMUNICADO INTERNO

"A decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o diploma de jornalista é bem-vinda. Ela atesta como legal situação vivida por órgãos de imprensa, que, há anos, têm na sua equipe especialistas de outras áreas, com talento reconhecido, mas que não se formaram na profissão. Quaisquer que sejam as interpretações sobre a decisão do STF, porém, para nós das Organizações Globo nada mudará. Reconhecemos como fundamental o trabalho feito pelas Escolas de Comunicação Social no país e continuaremos a buscar nelas os nossos profissionais de jornalismo. Estes, para exercerem bem as suas atribuições, dependem de um conjunto de técnicas e conhecimentos que tem nas Escolas de Comunicação o seu melhor centro de difusão. Essa crença nunca esteve em conflito com a nossa postura de buscar especialistas de outras áreas que possam enriquecer nossos jornais, revistas, programas jornalísticos em rádio e TV e sites da internet. A decisão do STF apenas ratifica uma prática que sempre foi nossa.

João Roberto Marinho"

STF CAI NA PRÓPRIA ARMADILHA

STF contratará jornalistas, mas não sabe se exigirá diploma
JUSTIÇA - [ 18/06 ]
Cruzeiro On Line

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que não pode ser exigido o diploma de jornalismo de quem trabalha como jornalista ocorreu às vésperas de a Corte lançar o edital de um concurso para contratar 14 jornalistas. Por causa disso, a comissão de concursos do STF analisa agora se será ou não cobrado dos candidatos o curso de jornalismo. Antes da decisão, ter concluído a faculdade de jornalismo era um pré-requisito para os aspirantes às vagas.

A ideia do tribunal era divulgar o edital até o final deste mês. Mas, com o resultado do julgamento de 4ª feira (17), a publicação desse edital poderá demorar um pouco mais para ocorrer. Por enquanto há apenas uma certeza: os 14 candidatos às vagas de analista na secretaria de comunicação do STF terão de ter concluído uma faculdade porque os cargos são de analista, dos quais é exigido nível superior. Ainda não se sabe se essa faculdade terá de ser de jornalismo ou se será permitida a candidatura de pessoas que tenham feito outros cursos, como direito e letras.

Os 14 selecionados trabalharão junto à secretaria de comunicação do tribunal. Eles terão de assistir às sessões de julgamento do Supremo e redigir textos que serão divulgados na página do STF na Internet (www.stf.jus.br). Também caberá a eles atender aos jornalistas dos veículos de comunicação interessados em notícias sobre o tribunal. Uma das saídas que poderá ser utilizada pelo tribunal é exigir apenas um diploma de nível superior dos candidatos. Essa abertura ocorre em concursos para preenchimento de vagas em outras áreas do tribunal. Os analistas que atuam na área administrativa do Supremo, por exemplo, podem ser formados em qualquer curso superior pleno.

Segundo informações do Supremo, um desses analistas é engenheiro mecatrônico. Isso também ocorre no recrutamento de taquígrafos. Para disputar uma vaga de analista da área de informática, o candidato tem de ter formação em tecnologia ou graduação em outra faculdade, mas com pós-graduação em tecnologia.

NOTA NOSSA: Jornalista para trabalhar como analista. É brincadeira do STF...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

UMA BOA MATÉRIA PERDIDA

CORREIO POPULAR MATA O RIO CAPIVARI

Uma reportagem especial publicada na edição de domingo dia 14 de junho do jornal Correio Popular, de Campinas/SP, assinada pelo jornalista Gilson Rei (textos) e Nerivelton Araújo (fotos) tinha tudo para ser uma bela matéria. Inclusive o gancho: realizada em 5 de junho Dia Mundial do Meio Ambiente.

E POR QUE PERDIDA?
Aos olhos de um leitor atento, que em precisa ser jornalista, faltou um dado de suma importância na matéria inteira.

Na chamada de capa está lá a pista para matar a charada da morte da matéria: "...O curso d'água foi percorrido pela equipe do Corrreio...desde o limite de município com Vinhedo até o Jardim Xangai na região do Ouro Verde. Página A11"

O que matou a matéria foi a falta de resposta à seguinte pergunta:
"O curso d'água foi percorrido COMO?"

Os jornalistas foram a pé, de barco, de carro, carroça, trem, avião, helicóptero, bicicleta, moto, patins, skate, asa delta, ultra leve...? Ninguem sabe ninguém viu!

O repórter ajudou ainda a sepultar de vez a matéria ao dizer que "...A situação atual é semelhante ao quadro mapeado há três anos pelo Departamento Municipal de Meio Ambiente DMA quando os técnicos utilizaram um bote para percorrer o curso d'água..."

A matéria, na verdade era esta: refazer o mapeamento da situação do rio, nas mesmas condições daquele feito há três anos.

Faltou incluir acima, na lista de transportes possíveis, o jegue. Vai saber...

sexta-feira, 12 de junho de 2009

NOVO PASSEIO A BRASÍLIA JÁ TEM DATA

STF julgará recurso contra o diploma dia 17 de junho

Adiado na tarde desta quarta-feira, o julgamento do Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a constitucionalidade da exigência do diploma em curso superior de Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, foi remarcado para o dia 17 de junho. A Executiva da FENAJ reúne-se neste feriado de Corpus Christi para traçar novas estratégias da campanha em defesa do diploma neste momento decisivo para o futuro do jornalismo brasileiro.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

STF ADIA MAIS UMA VEZ O DIPLOMA DE JORNALISTA

MINISTROS TÊM MUITO TRABALHO

Pauta sobrecarregada. O julgamento do Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a constitucionalidade da exigência do diploma em curso superior de Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, acabou adiado mais uma vez. Ainda não há definição de nova data para inclusão do processo na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF), informa a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).

A Ação Penal do Mensalão (AP Nr 470) e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF Nr. 172), relativa ao caso do menino S. cuja guarda está sendo disputada judicialmente, sobrecarregaram a pauta de hoje do STF. Na tarde de hoje (10), um oficial de justiça comunicou aos representantes da FENAJ o adiamento da apreciação do recurso contra o diploma.

Estiveram presentes na sessão, além de dirigentes da FENAJ e do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ), e de uma delegação de estudantes de diversas faculdades do estado de SP, representantes dos Sindicatos dos Jornalistas do RS, PR, SP, GO, DF, MG e CE.
DO "O JORNALISTA"

Enquanto os juízes trabalham muito, parece que tem um monte gente que não faz nada neste país a não ser ficar viajando para Brasília para ver julgamentos no STF. Até de Campinas saiu ônibus para a capital federal.

Bem como amanhã é feriado mesmo e sexta vai ser enforcada por força das circunstâncias, que mal há nisso?

O STF podia muito bem pautar e adiar eternamente o RE 511961. Assim o diploma ficaria valendo pela falta de julgamento e um monte de gente poderia conhecer Brasilia sob o argumento de pressionar o STF.

Se é tão dificil assim dimensionar uma pauta para as sessões do STF, por que eles não colocam apenas um item por sessão? Não vão errar nunca. Se durar 15 minutos a decisão, ótimo, todos vão embora mais cedo. Se durar dois dias, sem problemas, pois só estarão acompanhando a sessão os interessados diretos naquele item e assim ninguém irá até lá perder tempo...

segunda-feira, 8 de junho de 2009

ECOS (5) JORNALÍSTICOS DA GREVE

PELOTÃO DE CHOQUE DA PREFEITURA TEM COMANDANTE

O pelotão de choque da prefeitura foi memso puxado pelo comandante Francisco de Lagos.

Aliás, no meio grevista ele ganhou um apelido muito curioso. Quando ouvi pela primeira vez nem entendi direito:

"Francisco Largos Tubos"

Olha ele aí:

ECOS (4) JORNALÍSTICOS DA GREVE

QUE FALTA FAZ UM COMPETENTE ASSESSOR DE IMPRENSA

A Cidade Judiciária de Campinas faz juz ao nome. É mesmo uma cidade. E cheia de salas. Ontem a audiência entre prefeitura e funcionários públicos em greve foi na sala 147 do primeiro andar do Bloco A. Se a sala tem o número 147 dá para imaginar quantas delas estão no mesmo corredor.

No fim do croredor há um saguão onde se recomenda que o público fique para aguardar vez. Além do reduzido número de cadeiras, a distância entre ele e algumas salas obriga um trânsito imenso pelo corredor.

Os jornalistas claro, ficaram diante da porta da sala aguardando que a porta fosse aberta. Logo foram alertados que não podiam ficar ali. Mas no saguão (lá longe) também não queriam ficar.

Não houve discussão nenhuma. Os jornalistas continuaram no memso lugar apenas recomendados por um PM de serviço que deviam evitar falar alto.

O problema lá foi pura falta de um profissional competente atuando como assessor de imprensa. A maioria dos profissionais que aguardavam a abertura da porta era de fotógrafos e cinegrafistas.

Com um assessor competente a situação teria sido resolvida com facilidade permitindo que estes profissionais fizessem suas imagens e liberassem a sala para a reunião.

Mas achar assessor de imprensa na Cidade Judiária é pedir muito.

Não devia ser assim.

ECOS (3) JORNALÍSTICOS DA GREVE

AUDIÊNCIA NA 1A. VARA CIVEL DA FAZENDA PÚBLICA

Do lado de fora da sala 147 do primeiro andar do Bloco A na Cidade Judiciária, um grupo de jornalistas. Do lado de dentro, apenas UM jornalista, da RAC. Aberta a porta para o intervalo, alguém comentou sutilmente: "até na audiência pública o RAC fica do lado da prefeitura".

O jornalista estava mesmo junto do staf municipal. Pode ter sido coincidência apenas. De qualquer maneira muito curiosa mesmo.

Pela foto não se pode discordar:

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O QUE É NOTÍCIA PARA O CORREIO POPULAR?

CORREIO POPULAR NÃO INFORMA SOBRE KAKÁ

LEITOR FICA SEM SABER O DESFECHO

Afinal para quem o jogador Kaká foi vendido? Se a pergunta for endereçada a um leitor do Correio Popular, de Campinas, seguramente ele não terá como responder.

Apesar de gastar espaço e tinta sobre o assunto da venda do jogador nas suas edições de quarta e quinta passadas dizendo que nada havia sido decidio ainda, hoje a editoria de esportes do jornal sequer toca no assunto.

Logo o leitor via continuar sem saber para quem o Kaká foi vendido.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

ECOS (2) JORNALÍSTICOS DA GREVE

E A GREVE CONTINUA EM CAMPINAS...




A bela imagem captada pela competente câmera de Carlos Bassan está correndo o mundo via Internet, para mostrar como o poder de deus funciona aqui em Campinas.

Não sei se a foto foi publicada, duvido muito.

De qualquer maneira: 10!

ECOS (1) JORNALÍSTICOS DA GREVE

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DE CAMPINAS ESTÃO PARADOS HÁ 14 DIAS

A diretora de comunicação da prefeitura, jornalista Luciana Paulo, que evidentemente está trabalhando apesar da greve, teria marcado um LINK para a EPTV com o secretário da Saúde, no saguão da prefeitura. Até aí nada de mais. Acontece que é no saguão que os grevistas estão "acampados" e são justamene os da Saúde os mais "bravos" do movimento.

Para complicar, a assessora de imprensa titular da Saúde está de férias. Para o lugar dela foi designado o jornalista Bruno. Inexperiente e recem chegado ficou quietinho e não disse nada. Uma funcionária do administrativo da Saúde foi quem deu o alerta. Mas já era tarde demais. O repórter ao vivo foi obrigado a sair com a velha desculpa "que o secretário estava sendo esperado, mas de última hora cancelou a entrevista..."

Ah, as boas ou más línguas dizem que o tal Bruno foi indicado pra cobrir a férias pelo secretáriode Comunicação Francisco de Lagos. Ao que se sabe Bruno teria trabalhado na empresa de comunicação do secretário, no Mato Grosso, em campanha nas últimas eleições.

A incompetente Luciana Paulo continua fazendo das suas, coberta pelo secretário Lagos.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

ESTADÃO MATA QUEM NÃO MORREU NO AVIÃO

LAMENTÁVEL!

Tá lá no cantinho interno do pé da página 6 (UMA PAR) a notinha que tenta remendar a cagada sob o título "Correção" - "Diferentemente do informado ontem, o advogado Gustavo Henrique Brito dos Santos não está entre os passageiros desaparecidos do voo AF447, da Air France".

Ah, esta pressa...

Calma, nesta hora é preciso muita calma.

CORREIO POPULAR E O KAKÁ

JORNAL INTERIORANO ANDA MESMO DEVAGAR

Quem lê exclusivamente o jornal Correio Popular, só vai saber que o Kaká já foi vendido por R$ 178 milhões para o Real Madri, amanhã.

É, porque hoje, o CP destaca no alto da sua capa a "entrada do Chelsea para ficar com o jogador". Na página de esportes o jornal gastou quase meia página para falar nada de nada sob o título: "Futuro de Káká está entre o Real Madri e o Chelsea".

Enquanto O Estado de S. Paulo anuncia: "Kaká vai para o Real por 65 milhões de euros".

Nem com a Internet o CP consegue andar no tempo.

Vamos ver qual vai ser o comportamento da editoria de Esportes do jornal na edição de amanhã...

terça-feira, 2 de junho de 2009

CANSADOS DA GREVE, JORNALISTAS VOLTAM AO TRABALHO...

MAS A GREVE CONTINUA, POIS É DO FUNCIONALISMO NÃO DOS JORNALISTAS!

Nunca vi isto na vida. Nos meus mais de 35 anos de jornalismo nunca vi coisa igual. Cansados da paralisação, os jornalistas que aderiram à greve dos funcionários públicos de Campinas, decidiram voltar ao trabalho.

A atitude, vista por olhos de quem já "grevou" até mandar parar, é uma tremenda falta de profissionalismo e companherismo.

Quero ver se os coleguinhas vão abrir mão do benefício no salário que a greve possa trazer.

Tá ruim a coisa. Muito ruim.